Ambiente

Novo fungo capaz de transformar celulose em etanol

O fungo 'acredmonium strictum', muito abundante na natureza, pode dar origem a uma nova era na área dos biocombustíveis. O organismo identificado por uma investigadora brasileira tem a capacidade de transformar celulose em bioetanol, um sonho antigo
Versão para impressão
O fungo 'acredmonium strictum', muito abundante na natureza, pode dar origem a uma nova era na área dos biocombustíveis. O organismo identificado por uma investigadora brasileira tem a capacidade de transformar celulose em bioetanol, um sonho antigo dos investigadores desta área.
 
Diversos investigadores têm tentado arranjar uma forma mais simples de transformar a celulose em biocombustível, uma vez que esta matéria existe em abundância na natureza e não se destinada à alimentação de seres humanos.
 
A engenheira alimentar da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no estado de São Paulo (Brasil), analisou cerca de 390 raízes e plantas na sua investigação de doutoramento para encontrar este fungo capaz de gerar etanol de segunda geração, o chamado “álcool verde”.

Rosana Goldbeck explica, num artigo publicado no site da Unicamp, que os microrganismos mais usados na produção de álcool combustível, as Saccharomyces, não conseguem fazer a conversão de celulose diretamente em etanol: precisam de enzimas externas que degradem a celulose em glicose, o que torna o processo caro e demorado.

A investigadora demonstrou que o fungo consegue gerar enzimas capazes de degradar a celulose (um polímero das plantas que não é comestível) em glicose, que pode ser, posteriormente, convertida em etanol. Utilizar a celulose em vez de cereais para produzir álcool traria grandes benefícios em termos de custos, já que a celulose não é própria para consumo humano. 
 
A investigadora brasileira acredita que graças a esta nova descoberta – que poderá ser usada, por exemplo, para transformar desperdícios industriais, como o papel, em etanol – “em cinco anos o Brasil será um dos maiores produtores de etanol de segunda geração”. 
 
 
Clique AQUI para consultar o estudo que foi publicado na revista norte-americana NBCI (em inglês).

Notícia sugerida por Vítor Fernandes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close