Ambiente

Novas hortas comunitárias na região do Douro

Duas novas iniciativas vão promover a criação de hortas comunitárias na região do Douro. A Corticeira Amorim está a disponibilizar vários terrenos desocupados, dentro do perímetro das próprias fábricas, e a Câmara Municipal de Vale da Cambra vai cede
Versão para impressão
Duas novas iniciativas vão promover a criação de hortas comunitárias na região do Douro. A Corticeira Amorim está a disponibilizar vários terrenos desocupados, dentro do perímetro das próprias fábricas, e a Câmara Municipal de Vale da Cambra vai ceder um terreno para o mesmo efeito.

A Câmara Municipal de Vale de Cambra vai disponibilizar mais de 1.000 metros quadrados em espaços urbanos para a criação de hortas, privilegiando na atribuição dos lotes as famílias mais carenciadas.

De acordo com a Lusa, esta medida visa melhorar a qualidade de vida das populações locais e potenciar a sustentabilidade ambiental.

Para a primeira fase do projeto estão disponíveis 21 parcelas de terreno, cada uma das quais com 50 metros quadrados.  A distribuição dos terrenos verificar-se-á de acordo com quatro critérios: a ordem de inscrição, a carência económica do agregado familiar, a situação de desemprego de um ou mais dos elementos da família e, finalmente, a residência nas freguesias urbanas do concelho.

Em igualdade de circunstâncias, as famílias com três elementos terão direito a uma parcela de terreno, enquanto os agregados com quatro pessoas ou mais terão direito a uma parcela adicional.

Os interessados em aderir ao programa deverão inscrever-se para o efeito através dos serviços da autarquia e tudo aponta que, uma vez concluído o processo de atribuição dos terrenos, esses possam começar a ser lavrados já no final do Verão.

1.400 metros quadrados de hortas em Sta. Maria da Feira

Segundo a Agência Lusa, os 1.400 metros quadrados de terreno da Corticeira Amorim destinados às hortas, na região de Santa Maria da Feira, já começaram a ser lavrados por vários funcionários da corticeira. Todos podem participar, desde os provenientes dos quadros dirigentes, aos operadores de máquinas e técnicos de laboratório.

O projeto insere-se na estratégia ambiental e social da empresa, aliando o aproveitamento saudável das terras inutilizadas às necessidades dos colaboradores.

Alface, couves, cebolas, feijão-verde, pepinos, morangos, tomates, alfazema e abóboras são alguns dos produtos já plantados no terreno situado nas traseiras da unidade industrial de Amorim. Nestas cultivações os químicos são proibidos, substituídos por fertilizantes naturais.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close