Inovação e Tecnologia

Nova prótese torna possível "sentir" membro amputado

Cientistas austríacos apresentaram, esta semana, em Viena, a primeira prótese de perna do mundo capaz de simular as sensações de um verdadeiro membro e de combater a chamada "dor fantasma", que afeta muitos pacientes amputados.
Versão para impressão
Cientistas austríacos apresentaram, esta semana, em Viena, a primeira prótese de perna do mundo capaz de simular as sensações de um verdadeiro membro e de combater a chamada “dor fantasma”, um problema crónico que afeta muitos pacientes amputados.
 
A inovação foi desenvolvida pelo investigador Hubert Egger, da Universidade de Líncia, no norte da Áustria, e está a ser testada há seis meses por um professor austríaco, Wolfgang Rangger, que perdeu a perna direita em 2007 depois de um coágulo causado por um acidente vascular cerebral.
 
Para tornar possível a criação e utilização da prótese, Egger e os colegas começaram por voltar a “ligar” aos tecidos saudáveis da coxa do paciente uma série de terminações nervosas do membro amputado, colocando-as perto da superfície da pele.
 
Depois, contou o investigador em entrevista à AFP, seis sensores foram implantados no “calcanhar” da prótese, feita de um material muito leve, e unidos a uma série de “estimuladores” colocados junto da região da amputação. 
 
Graças a este sistema, cada vez que o paciente dá um passo ou faz pressão na perna, os pequenos sensores são ativados e enviam sinais até ao cérebro. “Os sensores dizem ao cérebro que existe um pé e quem utiliza a prótese tem a sensação de que a perna sai do chão à medida que anda”, explica Egger.
 
Segundo o cientista, “trata-se de um procedimento muito simples” considerando “os resultados” que permite obter e que simulam o que acontece num pé saudável, em que os recetores da pele transmitem ao cérebro as diferentes sensações.

Prótese acaba com a chamada “dor fantasma”
 

Desde que começou a testar esta prótese inovadora, Wolfgang Rangger, de 54 anos, voltou não só a poder andar, como a correr, a andar de bicicleta e até a fazer escalada, além de quase ter deixado de coxear.
 
“Parece que voltei a ter um pé. Nunca mais escorreguei no gelo e consigo distinguir o tipo de chão sobre o qual estou a andar – perceber se é cimento, areia ou relva. Até consigo sentir pequenas pedras”, confidencia o paciente, citado pela AFP. 


Graças à prótese, Wolfgang Rangger voltou a conseguir andar, correr, pedalar e até fazer escalada © Universidade de Linz/AFP 
 

Mas há uma outra grande vantagem associada a esta prótese e que não se limita à liberdade de movimentos: de acordo com os criadores, o membro artificial, que melhora o equilíbrio e a segurança, ajuda, também, a erradicar a chamada “dor fantasma”, que afeta, de forma crónica, muitos pacientes amputados.
 
“Com uma prótese convencional, mal conseguia andar, não dormia mais de duas horas seguidas e precisava de morfina para aguentar as dores durante o dia”, recorda Rangger. Porém, desde que foi operado e recebeu, em Outubro, a nova prótese, as dores desapareceram.
 
Segundo os cientistas, a explicação está no facto de, quando existe uma maputação, o cérebro se tornar extremamente sensível devido a uma procura constante pelo membro perdido. Com a prótese, o cérebro “volta a receber dados reais e pode parar esta busca frenética”.
 
A prótese está já pronta para o mercado e o objetivo de Egger e dos colegas é agora conseguir o apoio de empresas interessadas em comercializá-la em larga escala com vista a diminuir o seu futuro custo para os pacientes, custo que, neste momento, se situa entre os 10.000 e os 30.000 euros.
 
Para o investigador, a inovação tem potencial para melhorar amplamente a qualidade de vida dos amputados, inclusive em países em desenvolvimento. “As pessoas amputadas não são pacientes 'tradicionais': não estão doentes, 'só' lhes falta um membro”, realça Egger.
 
“Ao ser-lhes devolvida a mobilidade, recuperam, também, a independência e tornam-se capazes de se reintegrar na sociedade. É para isso que eu trabalho”, finaliza o cientista austríaco.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close