Inovação e Tecnologia

Nova lâmpada LED ecológica dura 20 anos

Uma lâmpada que pode durar cerca de 20 anos começou a ser comercializada nos EUA no final de Abril. Trata-se de uma criação que substitui os tradicionais filamentos por LED.
Versão para impressão
Uma lâmpada que pode durar cerca de 20 anos começou a ser comercializada nos EUA no final de Abril. Trata-se de uma criação da multinacional holandesa Philips, que, com a substituição dos tradicionais filamentos por LED (diodos emissores de luz), concebeu um produto inovador que poderá permitir enormes poupanças a longo prazo, além de ser amiga do ambiente.
 
A lâmpada venceu o concurso “Bright Tomorrow Lightning Prize”, promovido pelo ministério da Energia do governo norte-americano, cujo objetivo era procurar alternativas mais eficientes à lâmpada comum, de 60 watts, com um consumo energético inferior. A Philips foi a única participante e, depois de 18 meses de teste, foi declarada vencedora.
 
Capaz de iluminar tanto como uma lâmpada tradicional, a criação tem, no entanto, potencialidade para dar luz às famílias por 20 ou mais anos, além de consumir menos eletricidade durante o processo. “Dado que a nova lâmpada é 83% mais eficiente que a lâmpada de 60W comum, os consumidores podem conseguir uma poupança adicional”, salientou Ed Crawford, responsável da marca Philips nos EUA, citado pela imprensa internacional.
 
Embora aumente a vida útil da lâmpada, a tecnologia LED encarece o produto, que está à venda por 60 dólares (cerca de 45 euros). Portanto, com o objetivo de a popularizar entre os compradores, a Philips está a oferecer descontos em determinadas lojas que permitem a aquisição da lâmpada por apenas 20 dólares (aproximadamente 15 euros) e a chamar a atenção para o facto de esta constituir um grande investimento para o futuro.
 
Atualmente, uma versão um pouco mais barata, mas menos eficiente, desta lâmpada da Philips já é vendida nos EUA e na Europa. Os governos de muitos países têm vindo a incentivar a compra de lâmpadas eficientes e a tentar pôr fim à produção das incandescentes, com filamentos e alto consumo de energia.
 
Nos EUA e no continente europeu, por exemplo, as lâmpadas de 100 watts já não são produzidas, ao passo que as de 60 watts deixaram de ser vendidas na Europa e estão a ser progressivamente abandonadas pelos norte-americanos que, até 2014, pretendem ainda proibir a produção de lâmpadas de 40 watts. 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close