Em Destaque Saúde

Nova esperança no tratamento do cancro

Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) concede opinião positiva para a introdução da Terapia Celular na União Europeia
Versão para impressão

 

O Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) concedeu no passado dia 29 de junho opinião positiva para uma nova abordagem terapêutica, iniciando assim o caminho para a introdução da terapia celular com células CAR-T no tratamento do linfoma difuso de grandes células B na União Europeia.  Esta abordagem pertence a uma nova geração de imunoterapias personalizadas para o tratamento de doenças hemato-oncológicas.

A terapia celular que agora recebeu parecer positivo é uma imunoterapia que modifica as células T do sistema imunitário do próprio doente, para que estas reconheçam e ataquem as células tumorais. Esta terapia tem o potencial de induzir respostas completas (sem cancro detetável) nos doentes com linfoma difuso de grandes células B. Esta abordagem terapêutica inovadora integrou o programa PRIME (Medicamentos Prioritários) da EMA em 2016.

A opinião positiva do CHMP foi concedida no seguimento da revisão pelos reguladores da União Europeia incluindo o Comité de Terapias Avançadas. A recomendação vai ser analisada pela Comissão Europeia, a qual tem competência para aprovação de medicamentos a utilizar nos 28 países da UE, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

Este parecer positivo da CHMP é um passo muito importante para os doentes na União Europeia que vivem com linfoma difuso de grandes células B refratário ou em recidiva após duas ou mais linhas de tratamento, os quais, até hoje, tinham poucas ou nenhumas opções de tratamento eficazes e que, agora, esperam beneficiar deste tratamento inovador o mais rapidamente possível.

Os linfomas difusos de grandes células B são a forma mais comum dos linfomas não-Hodgkin agressivos e representam uma doença com elevada necessidade médica não satisfeita. Estes doentes refratários ou em recidiva após duas ou mais linhas de tratamento têm um mau prognóstico e uma esperança mediana de vida de 6 meses. Estima-se que em 2018 existam na União Europeia 7.700 doentes cuja elegibilidade para a terapia celular com células CAR-T pode agora ser avaliada.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close