Ambiente

Nova enzima facilita produção de biocombustíveis

Uma enzima descoberta por investigadores noruegueses promete tornar o processo de produção de biocombustiveis mais eficiente e barato, permitindo que qualquer biomassa com celulose - desde restos de madeira, a cascas de marisco - possa ter transfo

Versão para impressão
Uma enzima descoberta por investigadores noruegueses promete tornar o processo de produção de biocombustiveis mais eficiente e barato, permitindo que qualquer biomassa com celulose – desde restos de madeira, a cascas de marisco – possa ter transformada em etanol ou metano. Até agora, apenas matéria facilmente degradável e derivada de alimentos era usada na produção destes combustíveis.

Trasnformar biomassa em biocombustíveis como o etanol e o metano não é uma tarefa fácil, devido ao complexo processo de decomposição da matéria. Por isso tem sido usada, até agora, biomassa feita de produtos alimentares cereais – como o milho ou a cana de açúcar – matérias de fácil decomposição.

Mas a descoberta de uma nova enzima poderá transformar restos de madeira, carapaças de insetos, cascas de marisco ou qualquer outra matéria que contenha celulose em biocombustivel. A descoberta, recentemente publicada na revista “Science”, foi feita por uma equipa de investigadores noruegueses.

“Em teoria, parece fácil converter carbo-hidratos em celulose, por exemplo, pequenas moléculas de açúcar que nutrem microrganismos que se tornam em metano e etanol. Mas na prática, é um desafio”, explica Gustav Vaaje-Kolstad, investigador da Universidade Norueguesa de Ciências da Vida (UMB) e um dos sete autores do artigo.

O que complica o processo é o facto de os carbo-hidratos de ambos os polímeros, quitina e celulose, serem formas densas e elásticas. A função biológica destes compostos é exactamente proporcionar ao organismo uma capacidade física dura e durável – diminuindo o índice de quebra das enzimas cuja função é decompor estes tipos de materiais.

Biocombustível mais eficiente e mais barato

O artigo publicado descreve como é que esta “nova enzima” (descrita pelos autores como oxidohydrolases) ajuda a biodegradar polímeros de carbo-hidrato aparentemente insolúveis em celulose e quitina. A Oxidohydrolases pode assim produzir biocombustível de forma mais eficiente e barata.

A enzima permite ainda reduzir a prática controversa de usar alimentos para produzir biocombustível.

A descoberta dos investigadores noruegueses poderá representar um avanço já muito esperado. A equipa da UMB já solicitou uma patente e estão em conversações com o produtor internacional de enzimas – Novozymes.

[Notícia sugerida pela utilizadora Maria José Oliveira]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close