Ciência

Nobel: Anunciados prémios da Física e da Química

Os prémios Nobel da Física e da Química 2012 foram atribuídos, esta terça-feira e quarta-feira, respetivamente, a Serge Haroche e David J. Wineland e aos norte-americanos Robert J. Lefkowitz e Brian K. Kobilka.
Versão para impressão
Os prémios Nobel da Física  e da Química 2012 foram atribuídos, esta terça e quarta-feira, respetivamente, a Serge Haroche e David J. Wineland pelo trabalho desenvolvido na física quântica e aos norte-americanos Robert J. Lefkowitz e Brian K. Kobilka na área da química, pelos estudos acerca dos recetores de células.
 
De acordo com o comunicado da academia Nobel, os estudos dos primeiros dois cientistas, um francês e um norte-americano, na área da Física, permitiram “abrir a porta a uma nova era de experimentação na física quântica, ao demonstrar a observação direta de partículas quânticas individuais sem as destruir”.
 
Graças a estes avanços é possível agora preservar a natureza quântica-mecânica das partículas individuais de luz e matéria, que até então perdiam as suas propriedades quando entravam em contacto com o meio envolvente.
 
Apesar dos “métodos laboratoriais engenhosos” concebidos pelos dois cientistas serem independentes, ambos têm o mesmo objetivo e efetuam-se de formas semelhantes. 
 
Com estas descobertas foi possível construir um computador super –rápido focado na física quântica e ainda novos relógios, 100 vezes mais precisos que os relógios atómicos de césio, que poderão ser a base de uma nova medição do tempo . 
 
Nobel da Química distingue progresso no estudo de recetores celulares

Esta quarta-feira foi, entretanto, anunciado o Nobel da Química 2012 que premiou os norte-americanos americanos Robert J. Lefkowitz e Brian K. Kobilka pelas descobertas relativamente ao comportamento das células.
 
O trabalho desenvolvido por estes investigadores conclui que as células têm a capacidade para se adaptarem a novas situações devido aos recetores que as constituem e que lhes permitem perceber quais as condições do meio envolvente.
 
Em comunicado, o Comité explica que a forma como os recetores funcionavam e a sua constituição era desconhecida até aos estudos realizados por estes dois investigadores que conseguiram perceber “o funcionamento interno de uma importante família destes recetores: os recetores acoplados à proteína G “.
 
O comunicado acrescenta ainda que a importância desta descoberta vai permitir operar grandes avanços na indústria dos medicamentos, pois “cerca da metade de todos os remédios fazem efeito através dos recetores acoplados a proteínas G”. 
 
A esta família de recetores está associada cerca de um milhar de genes que capacitam as células para detetar luz, sabor, odor, adrenalina, histamina, dopamina e serotonina, entre outros.
 
Já em 2011, Kobilka tinha conseguido obter uma imagem de um recetor de adrenalina, quando este enviava um sinal a uma célula, que foi considerada pela academia “uma obra-prima molecular e o resultado de décadas de investigação”.

[Notícia sugerida por Elsa Martins]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close