Ciência

“Nao” o robô com reações e emoções humanas

Cientistas britânicos e de mais oito países europeus apresentaram esta semana um robô que é capaz de "aprender" emoções ao interagir com seres humanos. O protótipo, baptizado de Nao, foi programado para se comportar como uma criança de 2 anos e poder
Versão para impressão
Cientistas britânicos e de mais oito países europeus apresentaram esta semana um robô que é capaz de “aprender” emoções ao interagir com seres humanos. O protótipo, baptizado de Nao, foi programado para se comportar como uma criança de 2 anos e poderá vir a fazer companhia a idosos e a crianças que estejam internadas nos hospitais, avança a BBC.

Segundo a equipa de cientistas responsável pelo andróide, o que distingue Nao de outros robôs em desenvolvimento no mundo é a sua capacidade de aprender emoções, expressá-las e, interpretando sinais, perceber emoções nas pessoas.

O robô é capaz de expressar raiva, medo, tristeza, felicidade, excitação e orgulho e fica visivelmente perturbado se a pessoa responsável por ele deixa de confortá-lo quando ele enfrenta uma situação de stress.



O trabalho é liderado pela especialista em computação Lola Cañamero, da Universidade de Hertfordshire, em Inglaterra, em colaboração com universidades e empresas de robótica da União Europeia.

Com câmaras de vídeo incorporadas, a máquina deteta as expressões faciais. “Se quiser dizer transmitir a ideia de que o robot está a agir bem, basta aproximar-se mostrar-lhe o rosto e sorrir”, diz Cañamero.

Um dos objetivos do projeto é desenvolver o protótipo até um ponto em que ele possa ser usado para fazer companhia a idosos ou crianças que se encontrem internadas nos hospitais.

Um robô-criança

Nao, que mede apenas 58 centímetros de altura, foi programado para aprender a interagir e responder a humanos da mesma forma que uma criança. A máquina incorpora os mesmos códigos de comportamento e de expressão que os bebés aprendem nas suas interacções sociais e emocionais com outras pessoas.

Por exemplo, quando está triste, Nao baixa a cabeça e contrai os ombros. Quando está alegre, ergue os braços e levanta a cabeça para pedir um abraço.

O protótipo foi criado a partir da observação de como bebés chimpanzés e humanos e os adultos que cuidam deles formam laços afectivos.

Assim como os bebés dessas duas espécies, Nao também é capaz de desenvolver uma preferência por uma das pessoas que cuidam dele.

O robô foi programado para se adaptar às ações e estados de humor dos humanos que cuidam dele e liga-se mais ao indivíduo que interage com ele de maneira particularmente apropriada ao seu tipo de personalidade e necessidades de aprendizagem.

As pesquisas com o protótipo integram o projecto europeu Feelix Growing (anagrama baseado, entre outras, pelas palavras inglesas Feel, Interact e Express (“Sentir, Interagir, Expressar”, em tradução literal).

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close