Saúde

Mulheres: Comer peixe diminui risco de depressão

Comer peixes gordos, como o salmão e o atum, pelo menos duas vezes por semana, permite reduzir em até 25% o risco de depressão nas mulheres. A conclusão é de um estudo realizado por investigadores australianos.
Versão para impressão
Comer peixes gordos, como o salmão e o atum, pelo menos duas vezes por semana, permite reduzir em até 25% o risco de depressão nas mulheres. A conclusão é de um estudo realizado por investigadores australianos e publicado em Abril na revista científica American Journal of Epidemiology.
 
A investigação, conduzida por uma equipa do Menzies Research Institute na Tasmânia, Austrália, acompanhou mais de 1.400 homens e mulheres com idades entre os 26 e os 36 anos ao longo de um período de cinco anos, tendo todos os participantes mantido diários onde davam conta dos seus hábitos alimentares (nos quais se incluíam vários tipos de peixe e marisco).
 
Os especialistas, coordenados por Kylie J. Smith, concluíram que a regularidade da inclusão do peixe, em especial dos peixes ricos em gorduras saudáveis como o ácido ómega-3, na dieta se traduzia numa redução de até 25% no risco de depressão no sexo feminino. 
 
Os benefícios do consumo de peixes como o atum e o salão mantiveram-se, nas mulheres, mesmo depois de considerados fatores associados ao estilo de vida como os hábitos tabágicos, o peso, a prática de exercício físico, o consumo de álcool, a educação e a situação profissional.
 
Por outro lado, no caso dos homens, a equipa australiana não observou quaisquer efeitos protetores. Estes resultados levam os investigadores a acreditar que os elevados níveis de ácidos gordos ómega-3 presentes nestes tipos de peixe podem combinar-se com duas das principais hormonas femininas, a progesterona e o estrogénio, ajudando a que o cérebro se mantenha a funcionar normalmente e com saúde.
 
“As mulheres que, pelo menos, comeram peixe mais de duas vezes por semana apresentaram um risco 25% inferior de vir a sofrer de depressão durante o acompanhamento realizado do que as que incluíam este tipo de alimento na sua dieta com uma menor frequência”, explicam os cientistas.
 
“O facto de esta associação entre o peixe e a saúde do cérebro nas mulheres não se ter observado nos homens pode ter a ver com o facto de estes últimos ingerirem mais ácidos gordos provenientes de outras fontes alimentares, particularmente a carne”, acrescenta a equipa no artigo, considerando que “as interações entre as hormonas sexuais e os ácidos gordos ómega-3 podem proporcionar uma outra explicação”.
 
Segundo os investigadores, “estas descobertas vêm juntar-se às evidências anteriores de que o consumo de peixe pode ser vantajosa para a saúde mental feminina”. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close