Negócios e Empreendorismo

MIMA: Alternativa portuguesa à habitação tradicional

Chama-se MIMA, é da autoria de dois jovens arquitetos portugueses e promete ser uma "alternativa à arquitetura de habitação tradicional". Trata-se de uma casa préfabricada e totalmente customizável, que assenta em dois modelos distintos.
Versão para impressão
Chama-se MIMA, é da autoria de dois jovens arquitetos portugueses e promete ser uma “alternativa à arquitetura de habitação tradicional”. Trata-se de uma casa préfabricada e totalmente customizável, que assenta em dois modelos distintos .
 
“É uma casa portuguesa com certeza” mas não deve nada à tradição. A MIMA é inspirada na arquitetura tradicional japonesa que, de acordo com informação avançada pelos seus criadores ao Boas Notícias, constitui “uma simplificação dos processos construtivos, valorizando a personalização e a flexilibidade” – isto é, a capacidade de mudança e adaptação das casas.
 
A MIMA é composta, apenas, por uma estrutura de pilar e viga com um espaçamento fixo, paredes com painéis e peças modulares de chão também de medida fixa. Assim, oferece aos clientes a oportunidade de personalizar ao máximo a sua casa de uma forma simples e rápida.
 
Se, por exemplo, os donos da habitação quiserem mudar a cor das paredes, não precisam de um pintor: só têm de adquirir novas peças de revestimento e substituí-las, num processo que não apresenta complicações. Além disso, a qualquer momento, os residentes podem adicionar novas divisões à casa.
 
“Todas as peças são substituíveis e as paredes podem inclusive ser dispostas em pontos diferentes, permitindo que a configuração da casa seja alterada tantas vezes quanto desejado”, explicam os arquitetos responsáveis pelo projeto, Marta Brandão e Mário Sousa.
 
Apesar de serem quase totalmente customizáveis, existem duas tipologias base da MIMA: uma delas, a MIMA Studio, apresenta dimensões reduzidas (18 m2), sendo adequada para funcionar como uma pequena casa de férias. Já a MIMA Loft, de maiores dimensões (36 m2) pode ser também usada como habitação fixa.

Sucesso entre clientes nacionais e internacionais

 
Estas casas têm sido um sucesso entre clientes nacionais e internacionais. Marta Brandão disse ao Boas Notícias que a equipa tem recebido “um elevado número de pedidos”. A procura intensa já obrigou, inclusive, a mudanças nos processos produtivos.
 
“Vimo-nos forçados a reformular os nossos processos de produção a fim de garantir uma resposta com máxima qualidade e eficácia a todos aqueles que manifestaram interesse nos nossos produtos”, contou a arquiteta.
 
Em consequência desta reformulação, Marta Brandão acrescentou que a equipa não pode “ainda dar respostas definitivas em relação a processos construtivos ou a preços”. No entanto, segundo informações avançadas inicialmente, o preço base das casas rondaria os 43 mil e 700 euros.
 
No entanto, uma coisa é certa: as casas MIMA, asseguram os responsáveis pelo seu desenvolvimento, “constituem uma alternativa mais simples, mais rápida, mais barata e mais flexível” às tradicionais, garantindo, ainda assim, “a mesma qualidade construtiva, conforto e personalização” e “democratizando o acesso à arquitetura”.

Clique AQUI para saber mais sobre estas casas de autoria portuguesa.


[Notícia sugerida por Ana Vicente e Fernando Pereira]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close