Desporto Em Destaque

Miguel Rocha a caminho do mundial de bodysurf, depois de sagrar-se tricampeão nacional

O diagnóstico de esclerose múltipla não tem sido um entrave aos sonhos do atleta, que continua a somar títulos, afirmando que a doença não é o fim.
Versão para impressão

Depois de conquistar pelo terceiro ano consecutivo o título de campeão nacional de bodysurf, Miguel Rocha embarca nos próximos dias 18 e 19 de agosto na aventura do campeonato do mundo da modalidade, sendo o primeiro português a participar nesta competição que se realiza este ano na Califórnia. O diagnóstico de esclerose múltipla não tem sido um entrave aos objetivos do atleta, que afirma que “nunca se deve baixar os braços. O pensamento positivo é fundamental para quem tem sonhos.”

Descobriu o bodysurf em 2010 e em 2015 começou a competir alcançando nesse ano um prestigiante 2º lugar no campeonato nacional. Desde então, foi somando títulos, mas o diagnóstico de esclerose múltipla, em 2016, afastou-o do mar durante algum tempo. “Nesse momento, pensei que a competição e o bodysurf tinham chegado ao fim e sempre que pensava em esclerose múltipla só me vinha à cabeça a cadeira de rodas.” Porém, incentivado pela família do bodysurf, como gosta de dizer, Miguel voltou a entrar no mar e sentiu que aquele lugar lhe pertencia como sempre e nesse ano não só se sagrou campeão nacional de bodysurf, como chegou ao pódio na competição europeia, com o 3º lugar do campeonato europeu.

Depois de renovar o título em 2017 e mantê-lo em 2018, Miguel prepara-se agora para o campeonato do mundo, onde conta com o apoio das Bolsas GAES, uma iniciativa da líder ibérica em reabilitação auditiva, integrada na Fundação GAES Solidária, departamento de responsabilidade social da marca. Para Dulce Martins Paiva, Diretora-Geral da GAES, “acompanhar o percurso destes atletas, sabendo que a GAES contribuiu para a concretização dos seus sonhos, é muito gratificante. Estamos, por isso, a torcer para que o Miguel possa atingir os seus objetivos neste campeonato do mundo, desejando-lhe a maior sorte.”

Miguel irá partir na próxima semana para a Califórnia, onde irá participar pela primeira vez no campeonato do mundo. “Não vou com nenhuma pressão, é a primeira vez que vou competir numa prova mundial e sei que o nível é extremamente alto. Vou para me divertir e se conseguir trazer um bom resultado para casa, será a cereja no topo do bolo.” A doença, essa, não será um obstáculo, servindo principalmente, neste momento, para inspirar outros a enfrentá-la, mostrando que “o diagnóstico de esclerose múltipla não é o fim.” Miguel conclui, afirmando que “se conseguir inspirar uma pessoa que seja, acho que já vale a pena.”

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close