Ciência

Mergulhadores descobrem civilização subaquática

Uma equipa de mergulhadores que se encontra a trabalhar com a Universidade de St. Andrews, na Escócia, descobriu uma civilização subaquática numa longa faixa de terra seca entre aquele país e a Dinamarca.
Versão para impressão
Uma equipa de mergulhadores de companhias petrolíferas que se encontra a trabalhar com a Universidade de St. Andrews, na Escócia, descobriu uma civilização subaquática numa longa faixa de terra seca entre aquele país e a Dinamarca, que terá ficado submersa entre 18.000 a.C. e 5.500 a.C. Os cientistas já lhe chamam mesmo “Atlântida britânica”. 
 
De acordo com os especialistas, este “mundo afundado” terá sido o verdadeiro coração da Europa, tendo acolhido dezenas de milhares de pessoas. A história mudou quando Doggerland foi atingida por um “tsunami devastador”, acreditam os investigadores, mas os vestígios permanecem até hoje.
 
Prova disso é que foram encontrados artefactos de várias épocas usados pelos habitantes e até eventuais cemitérios de humanos e de mamutes. A partir dos dados que obtiveram, os cientistas fizeram um retrato desta terra: uma terra com montes e vales, lagos e rios e que, com a subida do nível do mar, acabou por se tornar um arquipélago isolado.
 
“As informações que temos atualmente permitem-nos conhecer a fauna e flora de Doggerland e construir o perfil das pessoas que lá viveram, além de compreender quais os eventos dramáticos que a mudaram, nomeadamente a subida do nível do mar e o tsunami”, explica Richard Bates, da Universidade de St. Andrews, em comunicado. 
 
“Há anos que especulamos sobre a existência desta terra perdida, a partir de ossos encontrados por pescadores no Mar do Norte, mas só desde que começámos a trabalhar com companhias petrolíferas há algum tempo é que conseguimos recriar a aparência que Doggerland terá tido”, acrescenta o geofísico.
 
A investigação dura há já 15 anos e, agora, os seus resultados foram expostos pelas universidades de St. Andrews, Dundee e Aberdeen numa mostra em Londres que, até 8 de Julho, apresentará ao público artefactos recuperados do fundo do mar.Os visitantes poderão também ver um vídeo interativo que mostra como Doggerland terá sido com os seus montes, vales e rios. 
 
“Restam muito poucas evidências porque a maioria sofreu erosão por estar debaixo de água”, confessa Bates. Porém, o cientista sublinha que “o que foi encontrado constitui um marco” e adianta que a equipa está agora preparada para “mapear os melhores locais para encontrar sinais bem preservados de vida”.

Clique AQUI para aceder ao comunicado da Universidade de St. Andrews (em inglês) e AQUI para aceder à página do projeto Europe's Lost World no Facebook.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close