Sociedade

Menos juros e mais tempo para Portugal saldar dívida

Portugal e Irlanda também vão beneficiar da melhoria das condições de crédito oferecida à Grécia esta segunda-feira, que vão ser igualmente aplicáveis às outras nações sob resgate.
Versão para impressão
Portugal e Irlanda também vão beneficiar da melhoria das condições de crédito oferecida à Grécia esta segunda-feira. As novas condições do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) decididas para aquele país vão ser aplicáveis às outras nações que estão sob resgate, o que significa mais 15 anos para pagar à “troika” e um adiamento de 10 anos até ao início do pagamento dos juros sobre o empréstimo contraído.
 
A garantia foi dada pelo presidente do Eurogrupo, Jean Claude Juncker, que prometeu uma decisão formal sobre esta matéria para a próxima segunda-feira. “Tomámos a decisão há meses, ou mesmo há mais de um ano, que temos que aplicar as mesmas regras aos outros países sob programa [de assistência financeira] e iremos abordar isso na próxima reunião”, afirmou, citado pela Lusa.
 
“Se há alguém nesta sala que é amigo de Portugal e da Irlanda, que fazem parte dos meus países preferidos na Europa, por razões óbvias, sentimentais e pessoais, sou eu. Portanto, o assunto será tratado de forma a que nem Portugal nem Irlanda fiquei insatisfeitos”, assegurou Juncker. 
 
Segundo o Diário Económico, na prática, as novas condições do empréstimo do FEEF querem dizer que Portugal (tal como a Grécia e a Irlanda) poderá dispor de mais 15 anos para pagar à “troika” e verá adiado em 10 anos o prazo para começar o pagamento dos juros sobre esse empréstimo.

Diretora do FMI já tinha defendido “mais tempo”
 
Assim, em vez de devolver o dinheiro do empréstimo em 30 anos (prazo que já era resultante de um aumento de 15 anos na maturidade dos créditos), Portugal poderá levar até 45 anos a saldar a dívida. Ainda de acordo com o jornal especializado, “a extensão do período de carência do pagamento dos juros é da maior importância” para o país, “adiando em 10 anos o prazo de devolução inicial do crédito”.
 
Além disso, decidiu também o Eurogrupo, Portugal e Irlanda ficarão livres de participar na redução das taxas de juro cobradas nos empréstimos à Grécia enquanto estiverem a receber assistência financeira.
 
De salientar que esta decisão surge cerca de um mês depois de Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), ter defendido, como o Boas Notícias adiantou à data, que a Grécia e os outros países da Zona Euro com problemas orçamentais – entre eles Portugal e Espanha – devem ter mais tempo para reduzir os seus défices.
 
“Em vez de uma redução frontal e massiva (…) é preferível, por vezes, ter um pouco mais de tempo”, declarou, em Outubro, a chefe do FMI, referindo-se à atual conjuntura, no âmbito da qual muitos países, incluindo Portugal, estão a apostar nos cortes e na austeridade, o que acaba por asfixiar a recuperação económica.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close