Mundo

Menina de 11 anos atinge valores máximos de QI

Uma menina de apenas 11 anos é já considerada uma das pessoas mais inteligentes do Reino Unido. Ao atingir a pontuação máxima nos testes de avaliação de QI da Mensa, a maior e mais antiga sociedade de génios do Mundo.
Versão para impressão
Uma menina de apenas 11 anos é já considerada uma das pessoas mais inteligentes do Reino Unido, ao atingir a pontuação máxima nos testes de avaliação de QI da Mensa, a maior e mais antiga sociedade de génios do Mundo.
 
Cerys Cooksammy-Parnell pontuou um valor de 162 na escala de Castell B, ultrapassando os QIs de personalidades científicas como o físico alemão Albert Einstein e o britânico Stephen Hawking. 
 
A menina inglesa diz ter ficado espantada não só com os valores máximos alcançados, mas sobretudo por ter superado a inteligência do pai, Dean, que já era um membro da Mensa com um QI de 142.
 
“Quando me candidatei à Mensa, ele começou a exibir-se e a dizer 'Oh, eu já faço parte da Mensa, Cerys'. Portanto, no fim, soube ainda melhor quando me disseram que tinha ficado à frente dele”, conta divertida. 
 
Dean Parnell já esperava que o QI da filha fosse bastante elevado, pela excelente capacidade de articulação de ideias e pela desenvoltura intelectual que a menina sempre revelou. Mas nunca pensou que os valores atingissem o máximo da escala. 
 
“Estava à espera que o QI dela rondasse os 145, disso não tinha dúvidas. Mas saber que foi bem para além disso, atingindo valores máximos, é um choque”, refere o pai, citado pela imprensa internacional.
 
Cerys, que já faz parte do dotado e talentoso grupo na escola que frequenta em Wellinborought, diz que, no futuro, quer estudar matemática, trabalhar num banco e, quem sabe, até ser Primeira-Ministra ou Governadora do Banco de Inglaterra.

Potencial não é tudo, diz Cerys
 

Agora ciente do seu QI e das suas capacidades intelectuais, Cerys não concorda quando a comparam com outros grandes génios. “Não me podem comparar com o Einstein porque ele alcançou tanta coisa, contribuiu tanto para a humanidade, e eu não. Não se pode julgar uma pessoa apenas pelo seu potencial”, diz. 
 
Natalie Parnell, mãe da criança, defende que “há uma grande diferença entre inteligência nata e conhecimento. Ainda precisamos de a educar a tirar o maior proveito destas capacidades e aptidões naturais em benefício dele”. 
 
O casal, também pais de um menino de 13 anos, diz ainda não ter decidido que orientação dar a Cerys, agora que têm conhecimento do potencial intelectual da criança.

A questão que se coloca é se vão deixar a filha continuar a ser uma criança normal, que gosta de jogar ténis, trocar mensagens com os amigos e jogar Candy Crush no iPhone, ou definir uma estratégia que, a partir de agora, exija das suas capacidades e talento.

Clique AQUI para saber mais sobre Cerys Cooksammy-Parnell.

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close