Ciência

Meditação ajuda a melhorar desempenho escolar

A prática de meditação antes das aulas pode ajudar os estudantes universitários a conseguir melhores notas e um desempenho escolar superior, concluiu um novo estudo norte-americano.
Versão para impressão
A prática de meditação antes das aulas pode ajudar os estudantes universitários a conseguir melhores notas e um desempenho escolar superior. A conclusão é de um novo estudo norte-americano, que procurou compreender se esta atividade ajudaria os jovens a manter o foco e a reter informação.
 
A investigação, desenvolvida Robert Youmans e Jared Ramsburg, da Universidade George Mason e da Universidade do Illinois, respetivamente, consistiu na realização de três “experiências” de sala de aula numa instituição de ensino superior da Califórnia, nos EUA.
 
Uma amostra aleatória de estudantes foi convidada a seguir algumas instruções básicas de meditação antes das aulas e os jovens que meditaram obtiveram, depois, melhores resultados num inquérito realizado de seguida. Num dos casos, a meditação determinou mesmo quais os alunos que passaram e quais reprovaram no teste.
 
De acordo com um comunicado divulgado pela Universidade George Mason, o estudo mostrou também que os efeitos da meditação são mais fortes entre os alunos do 1º ano da universidade, o que quer dizer que pode ser mais benéfica para estes estudantes.
 
“Os dados do nosso estudo sugerem que a meditação pode ajudar os jovens que têm dificuldades em prestar atenção e em concentrarem-se. Infelizmente, as aulas do 1º ano contém mais estudantes deste tipo do que as dos anos seguintes porque alunos com estes problemas têm mais probabilidade de deixar a universidade”, explica Youmans, professor assistente de psicologia.
 
Segundo o especialista, “uma das principais dificuldades dos investigadores que estudam a meditação é que os supostos benefícios desta prática nem sempre se verificam em diferentes estudos e populações”, pelo que, em conjunto com o colega, tem tentado perceber porquê.

Rezar, fazer caminhadas ou planear o dia também é benéfico
 

Embora a razão ainda não esteja clara, Youmans acredita que, face às vantagens observadas, a autorreflexão poderá ter um papel importante entre os “caloiros”, já que o estudo mostrou melhorias significativas com apenas 6 minutos de exercícios de meditação, o que leva os investigadores a crer que um treino mais extensivo e com acompanhamento poderá trazer melhores resultados. 
 
“Pessoalmente, descobri que a meditação ajuda à clareza mental, à concentração e à autodisciplina”, afirma Jared Ramsburg, budista e principal autor do estudo. “Acho que se a atenção plena tem estes efeitos, poderá ser útil numa variedade de situações e para uma grande diversidade de objetivos”, salienta.
 
Os investigadores sugerem mesmo que outros tipos de autorreflexão poderão ter consequências igualmente positivas, quer consistam em rezar, fazer longas caminhadas ou planear o dia de forma detalhada e atenta pela manhã.
 
“Basicamente, estar um pouco mais atento a nós próprios e ao nosso lugar no mundo pode ter um benefício prático muito importante – e, neste caso, permitir a obtenção de melhores notas na universidade”, concluem.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês) publicado na revista científica Mindfulness.

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close