Saúde

Médicos querem ressuscitar doentes em morte cerebral

Uma equipa de cientistas acredita ser possível ressuscitar da morte cerebral. O primeiro período experimental do género foi aprovado e espera começar a recrutar os primeiros 20 participantes. São esperados resultados nos primeiros três meses.
Versão para impressão
Quando alguém perde todas as funções cerebrais declara-se a morte cerebral do paciente. Até agora, isso era uma sentença de morte. Mas uma empresa norte-americana acredita que esta condição é reversível e vai começar os testes clínicos muito em breve.

O período experimental vai ser conduzido no Hospital Anupam, na Índia, pela Bioquark, empresa norte-americana ligada às biotecnologias. A empresa acredita que vai ter resultados nos primeiros três meses de testes.

A Biomark já recebeu aprovação para realizar a primeira fase de testes clínicos e espera começar a recrutar os primeiros 20 participantes "imediatamente", lê-se no site da empresa. 

Os testes vão servir para perceber se é possível criar condições para recuperar partes do sistema nervoso central destes pacientes.

A “ressurreição” cerebral da Biomark aposta na combinação de diferentes terapias. Os investigadores vão injetar os cérebros com células estaminais e com uma combinação de biomoléculas (peptídeos), mas também vão aplicar lasers e técnicas de estimulação nervosa.

Os participantes serão depois monitorizados com a ajuda de equipamento de imagiologia cerebral, que vai procurar sinais de regeneração, particularmente na região da medula espinal superior que controla a respiração independente e os batimentos cardíacos do corpo.

Os investigadores pensam que as células-tronco podem apagar o seu “histórico” e reiniciar a vida com base no tecido que as rodeia. Um processo que também é observável no reino animal, em criaturas (como as salamandras) com capacidade de regeneração total dos seus membros.

A morte cerebral ocorre quando uma pessoa perde permanentemente todas as suas funções cerebrais, o que implica a falência da consciência e da capacidade de respirar. Neste estado, o paciente pode ser considerado clinicamente morto, apesar do seu corpo manter, com a ajuda de máquinas, as funções vitais.

Pode obter mais informações sobre o Projeto ReAnima aqui.

Notícia sugerida por António Resende.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close