Saúde

Medicina: Português preside a sociedade mundial

O cientista português Rui L.Reis, da Universidade do Minho, acaba de ser eleito presidente mundial da TERMIS - Sociedade Internacional de Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa.
Versão para impressão
O cientista português Rui L.Reis, da Universidade do Minho, acaba de ser eleito presidente mundial da TERMIS – Sociedade Internacional de Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa. O direitor do Grupo 3B's e do laboratório associado ICVS/3B's chega, assim, a um dos cargos mais prestigiados nesta área a nível político e estratégico.
 
Em comunicado, a Universidade do Minho explica que a TERMIS foi criada com o objetivo de reunir numa única sociedade internacional a grande maioria da comunidade científica ligada às áreas da Engenharia de Tecidos Humanos e da Medicina Regenerativa, focando a sua atividade na promoção da investigação e educação nesta área por meio, por exemplo, de conferências e publicações diversas.
 
Rui L. Reis tem vindo a exercer cargos nos principais órgãos desta sociedade internacional desde a sua fundação, tornando-se agora o seu presidente mundial para desempenho de funções entre 2016 e 2018.
 
O especialista português, de 45 anos, foi eleito online através de uma votação que contou com a participação dos mais de 4.000 membros registados no organismo, oriundos de cerca de 80 países diferentes e dos maiores grupos de investigação na área da Engenharia de Tecidos e da Medicina Regenerativa em todo o mundo.
 
Trata-se de um reconhecimento muito importante para o cientista, escolhido apesar de ter sempre conduzido a sua carreira científica em Portugal. Além de ter chegado a este cargo, Rui L. Reis é já reconhecido por ser o português com mais publicações científicas de sempre e um dos mais citados por autores. 
 
Durante a sua candidatura ao cargo de presidente da TERMIS, Rui L. Reis fez saber que, se fosse eleito, o que agora aconteceu, o objetivo seria “construir uma sociedade que seja, se possível, ainda mais global e que represente uma oportunidade única para networking”.
 
Em suma, explicou o cientista, o propósito passaria por “[tornar a sociedade] um sítio incomparável onde os membros possam interagir e desenvolver a sua investigação e as suas carreiras, um local onde os estudantes sintam que é onde devem estar e do qual podem tirar proveito, mas para o qual se espera que contribuam”.
 
Dada a força da sua investigação na área, Portugal é o 12º país com maior número de membros na Sociedade Internacional de Engenharia de Tecidos e Medicina Regenerativa, sendo apenas ultrapassado por EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido, Espanha, Coreia do Sul, Áustria, Itália, Singapura, Suíça e Holanda. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close