Em Destaque Sociedade

Matosinhos acolhe primeira casa-abrigo do país para pessoas LGBTI vítimas de violência doméstica

A Casa Arco-Íris pretende, assim, ser um projeto inovador, proporcionando uma resposta diferenciada à população LGBTI vítima de violência doméstica.
Versão para impressão

 

A secretária de Estado da Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, presidirá amanhã, 11 de maio, pelas 14h30, à cerimónia de entrega à Associação Plano i das chaves do imóvel municipal onde vai funcionar a casa-abrigo de emergência para pessoas LGBTI vítimas de violência doméstica. A criação da Casa Arco-Íris será ainda objeto de um protocolo que será assinado pela presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Luísa Salgueiro, e pela presidente da Associação Plano i (APi), Sofia Neves.

Com capacidade para acolher simultaneamente sete pessoas, a Casa Arco-Íris resulta da aprovação de uma candidatura da Associação Plano i ao POISE- Programa Operacional para a Inclusão Social e Emprego, sendo a primeira unidade do género a funcionar em Portugal. A Casa Arco-Íris pretende, assim, ser um projeto inovador, proporcionando uma resposta diferenciada à população LGBTI vítima de violência doméstica.

A Casa Arco-Íris propõe-se assegurar o acolhimento urgente e de curta duração a vítimas de violência doméstica LGBTI, acompanhadas ou não de filhos menores ou maiores dependentes, em virtude de questões de segurança e/ou de iminente risco de revitimização. Esta resposta integrada garantirá a satisfação das necessidades básicas, a proteção e segurança no sentido da minimização do risco e da vulnerabilidade social, o apoio psicológico, social e jurídico e a reconstrução de um projeto de vida autónomo e independente.

A Associação Plano i tem já a funcionar em Matosinhos, desde janeiro de 2017, o Centro Gis de atendimento à população lésbica, gay, bissexual e trans, que resultou dum desafio lançado à Câmara Municipal de Matosinhos pela Secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade. O serviço foi batizado em homenagem à transexual Gisberta, assassinada a 22 de fevereiro de 2006, no Porto, e tem atualmente 199 utentes em acompanhamento. No ano de 2017 foram acompanhadas 123 pessoas, foram realizados 1 036 atendimentos e acompanhados 20 casos de violência doméstica.

O apoio da Câmara Municipal de Matosinhos permitiu também à APi passar a contar, desde abril último, com uma unidade móvel, o Gabinete Itinerante de Saúde (GiS), resultante de um projeto aprovado pela Fundação EDP. Esta unidade permite à APi prestar apoio multidisciplinar a pessoas LBGTI, aos seus familiares e pessoas próximas que, por razões geográficas, financeiras ou outras, não possam deslocar-se ao Centro Gis.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close