Cultura

Manoel de Oliveira vai rodar novo filme aos 105 anos

Aos 105 anos de idade, o realizador português Manoel de Oliveira prepara-se para iniciar, no Porto, a rodagem do seu novo filme, "O Velho do Restelo". As filmagens vão decorrer entre 09 e 13 de Abril, disse à Lusa fonte da produtora O Som e a Fúria.
Versão para impressão
Aos 105 anos de idade, o realizador português Manoel de Oliveira prepara-se para iniciar, no Porto, a rodagem do seu novo filme, “O Velho do Restelo”. As filmagens vão decorrer entre 9 e 13 de Abril, disse à Lusa fonte da produtora O Som e a Fúria.
 
Manoel de Oliveira estava há vários meses a aguardar financiamento para avançar com esta produção, que vai contar com a participação dos atores Luís Miguel Cintra, Ricardo Trepa, Diogo Dória e Mário Barroso.
 
De acordo com a produtora, só agora será possível começar a filmar, “com o patrocínio do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que reconheceu o mérito cultural deste projeto”, e com o apoio da ministra da Cultura e da Comunicação de França, Aurélie Filippetti.
 
Além disso, “O Velho do Restelo”, baseado em partes do livro “O Penitente, de Teixeira de Pascoaes, que evoca as diferenças entre Cervantes e Camilo Castelo Branco, terá ainda  o apoio da autarquia portuense, através da Porto Film Commission, e da Universidade Católica do Porto.
 
No novo filme, Luís Miguel Cintra dará vida a Camões, Ricardo Trepa será D. Quixote, Diógo Dória encarnará o escritor Teixeira de Pascoaes e Mário Barroso será Camilo Castelo Branco. 
 
“Teremos Pascoaes e D. Quixote, cada um trajando à sua época, cada um sentado na sua extremidade de um banco de pedra. A eles irão juntar-se Camilo Castelo Branco e Camões”, avança a sinopse de “O Velho do Restelo”, cuja finalização está prevista para Agosto. 
 
O ano passado, em entrevista à revista francesa Cahiers du Cinéma, Manoel de Oliveira admitiu a falta de financiamento que foi entretanto solucionada. “Fazer este filme é como ganhar uma batalha. É difícil. A conjuntura económica trava e fragiliza a montagem financeira do filme”, constatou.
 
À data, o realizador lamentou ainda a falta de reconhecimento pelo seu trabalho em Portugal. “Eu penso que no País há uma grande indiferença pelo que eu já realizei. Tanto faz que o meu cinema exista ou não exista”, comentou.
 
Manoel de Oliveira, nascido no Porto em 1908, explicou ainda que, com “O Velho do Restelo”, quer refletir, uma vez mais, sobre a História de Portugal, nomeadamente sobre “a Invencível Armada e o presente”. 

Notícia sugerida por Rosário Cruz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close