Saúde

Mama: Exercício físico diário diminui risco de cancro

Fazer exercício físico durante mais de uma hora por dia reduz o risco de cancro da mama em mulheres de todas as idades e pesos. A conclusão é de uma investigação francesa, baseada na análise de dezenas de estudos internacionais.
Versão para impressão
Fazer exercício físico durante mais de uma hora por dia reduz o risco de cancro da mama em mulheres de todas as idades e pesos. A conclusão é de uma investigação francesa, baseada na análise de dezenas de estudos internacionais, que revelou que as mulheres ativas têm uma probabilidade 12% menor de vir a sofrer da doença.
 
Os resultados da metánalise conduzida pelo Internacional Prevention Research Institute, em Lyon, França, foram apresentados na quinta-feira durante a 9ª Conferência Europeia do Cancro da Mama, que decorreu na cidade escocesa de Glasgow, pelo diretor da investigação, Mathieu Boniol.
 
Os investigadores analisaram 37 estudos – todos os que já foram feitos na área – publicados entre 1987 e 2013, representando mais de quatro milhões de mulheres de todo o mundo.

“Estes são todos os estudos que se debruçaram sobre a relação entre o exercício físico e o risco de cancro da mama e que foram publicados até à data, pelo que acreditamos que os resultados da nossa análise são credíveis”, afirmou Boniol, citado em comunicado.
 

Embora os resultados tenham variado com o tipo de tumor e o efeito protetor do exercício tenha sido anulado no caso das mulheres em terapia de substituição hormonal, a mensagem geral é encorajadora, acreditam os cientistas, até porque o uso desta terapia tem sido diminuído em muitos países, o que significa que os benefícios do exercício devem crescer nos próximos anos.
 
Além do cancro da mama, sabe-se que a atividade física desempenha um papel protetor ao nível de outros cancros e de problemas como doenças cardiovasculares. Os mecanismos por trás deste efeito protetor ainda não são claros, mas, no caso em causa, os benefícios provaram ser independentes do índice de massa corporal e da idade com a qual se inicia o exercício.
 
Segundo o responsável do instituto francês, os investigadores não encontraram qualquer indicação de que o risco de cancro da mama diminuísse apenas quando as mulheres começavam a fazer atividade física na juventude. 
 
“Acrescentar o cancro da mama, incluindo os tipos mais agressivos, à lista de doenças que podem ser prevenidas com a ajuda da atividade física deve encorajar o desenvolvimento de cidades que apoiem a prática desportiva, tornando-se amigas dos ciclistas e dos adeptos das caminhadas, que disponibilizem novos espaços para a realização de exercício e que o promovam através de campanhas educacionais”, defendeu Boniol.
 
Para o especialista, esta é “uma estratégia simples e de baixo custo para reduzir o risco de uma doença que, atualmente, acarreta elevadas despesas, quer para os sistemas de saúde, quer para os pacientes e as suas famílias.” É uma boa notícia quer para as autoridades responsáveis, quer para os indivíduos”, concluiu.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close