Saúde

Malária: Vacina pode chegar ao mercado já em 2015

Uma vacina contra a malária poderá chegar ao mercado já em 2015. A farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK) revelou, esta terça-feira, que pretende solicitar a primeira aprovação científica europeia para uma vacina contra esta doença.
Versão para impressão
Uma vacina contra a malária poderá chegar ao mercado já em 2015. A farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK) revelou, esta terça-feira, que pretende solicitar a primeira aprovação científica europeia para uma vacina contra esta doença na sequência da realização de ensaios clínicos que trouxeram resultados “promissores”.
 
Atualmente, vários grupos farmacêuticos estão a trabalhar em vacinas contra a malária, transmitida por mosquitos e que mata 655 mil pessoas por ano. A vacina “RTS,S”, concebida pela GSK e destinada a crianças africanas (as principais vítimas da doença) é considerada a mais avançada.

Numa conferência sobre a malária que decorreu, recentemente, em Durban, na África do Sul, a GSK e o grupo Malaria Vaccine Initiative (MVI), apoiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, anunciaram os resultados da fase três dos ensaios clínicos que envolveram mais de 15.000 crianças.
 

“A eficácia da vacina foi de 46% para as crianças mais jovens (com 5 a 17 meses de idade durante a primeira vacinação) e de 27% para os bebés (com 6 a 12 semanas na primeira vacinação) ao longo dos testes realizados durante 18 meses”, disse à AFP o principal coordenador do teste, o médico Lucas Otieno do Kenya Medical Research Institute. 
 
Segundo Otieno, os “resultados obtidos até agora” são “promissores”. “Os testes continuam e nós esperamos ter, em 2014, mais informações sobre a proteção a longo prazo [fornecida pela vacina]. Também avaliaremos a incidência de uma dose de reforço administrada 18 meses depois da vacinação”, adiantou o especialista. 

Vacina pode vir a ser difundida a custo reduzido
 

Em comunicado, a GSK avançou que planeia solicitar, no próximo ano, a opinião científica da Agência Europeia do Medicamento (EMA) a propósito da vacina, que foi pensada especialmente para as crianças da África subsaariana e não para ser comercializada na Europa.
 
Caso a farmacêutica obtenha uma opinião favorável, a Organização Mundial de Saúde (OMS) poderá recomendar a vacina já em 2015, o que abriria caminho à sua difusão em África através da UNICEF e do programa humanitário Gavi Alliance a custo reduzido, com uma margem de lucro de 5% para a empresa fabricante. 
 
“Os dados que obtivemos [a partir dos ensaios clínicos] levaram-nos à decisão de pedir um parecer em relação à vacina que, se for bem-sucedido, vai constituir-se como mais um passo para que tenhamos uma ferramenta adicional para combater esta doença mortífera”, explicou Andrew Witty, diretor executivo da GSK. 
 
“Estamos gratos aos cientistas espalhados por África, à GSK e aos nossos parceiros que trabalharam de forma incansável durante quase 30 anos para nos trazer até este momento”, concluiu Witty.

A malária é provocada por um parasita, o Plasmodium, transmitido pela picada dos mosquitos, e tem como principais sintomas a febre, as dores de cabeça e os vómitos. A falta de tratamento rápido pode revelar-se fatal, desencadeando problemas circulatórios que na maioria dos casos resultam em morte.
 

Notícia sugerida por David Ferreira

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close