Cultura

Londres: Cortiça nacional volta a brilhar em exposição

A cortiça portuguesa vai voltar a brilhar em Londres. Graças a uma parceria com a Corticeira Amorim e o Design Museum, na capital inglesa, uma rolha de cortiça lusitana ocupa um lugar de destaque na exposição "In The Making" naquele museu.
Versão para impressão
Até ao próximo dia 4 de Maio, a cortiça portuguesa vai voltar a brilhar em Londres. Graças a uma parceria com a Corticeira Amorim e o Design Museum, na capital inglesa, uma rolha de cortiça lusitana ocupa um lugar de destaque na exposição “In The Making” patente naquele museu e dedicada “à estética do objeto inacabado”.
 
Em comunicado, a Corticeira Amorim explica que a exposição, comissariada pelos designers “internacionalmente aclamados” Edward Barber e Jay Osgerby, apresenta 24 objetos semimanufaturados, entre os quais uma rolha, que é focada “através de um traço de cortiça semitransformado”.
 
A opção “evidencia a singularidade do processo de transformação desta matéria-prima natural” e pretende, assim, tornar “intuitiva a perceção do valor premium associado a este nobre objeto”, salienta a empresa. 
 
Citados no mesmo comunicado, Edward Barber e Jay Osgerby salientam que a rolha de cortiça “é, talvez, o mais simples de todos os objetos expostos” nesta mostra. “Extraída do sobreiro, a cortiça é retirada em ciclos de nove anos e necessita de tempo para atingir a espessura ideal para se transformar numa rolha”, esclarecem.
 
“Escolhemos parar a produção quando o traço de cortiça está apenas parcialmente aproveitado, evidenciando tanto a beleza da matéria-prima, como o objeto propriamente dito”, acrescentam ainda os designers, que, na exposição, evidenciam um “diálogo permanente com o processo de transformação”. 

Exposição quer captar beleza do processo de produção
 

O conjunto de objetos selecionados a par desta rolha de cortiça portuguesa, entre os quais uma bola de ténis, um bastão de cricket, uma moeda, uma nota e até mesmo um diamante, tem em comum um fator distintivo ou uma qualidade inesperada “mais facilmente identificados antes de [estes] assumirem a sua forma final”.
 
A exposição capta, assim, um instante peculiar e não convencional do tempo de produção de uma diversidade de objetos. “Sempre nos fascinou o processo de produção. Esta exposição é uma plataforma para capturar um momento congelado no processo de produção e revelar um objeto do quotidiano no seu estado incabado”, descrevem os criadores, que garantem que “muitas vezes o objeto é tão bonito, se não mais, como o produto final”. 
 
Edward Barber e Jay Osgerby fundaram o seu estúdio de design, com sede em Londres, em 1996, depois de concluírem a sua formação académica no Royal College of Art, também na capital britânica. 

No portfólio dos dois designers incluem-se, além de inúmeras coleções que integram museus de todo o mundo, obras de edição limitada e comissões públicas como a Tocha Olímpica de 2012 e uma nova moeda de 2£ concebida para o Royal Mint, organismo responsável pela produção de moedas no Reino Unido.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close