Sociedade

Loja de bordados online já exporta para vários países

Na Lixa, no concelho de Felgueiras, uma jovem está a fazer sucesso com o bordado português. Patrícia Costa, uma educadora de infância, criou em 2011 uma empresa de bordados, que promoveu na internet e atualmente já exporta para França, Suíça, Estados
Versão para impressão
Na Lixa, no concelho de Felgueiras, uma jovem está a fazer sucesso com o bordado português. Patrícia Costa, uma educadora de infância, criou em 2011 uma empresa de bordados que promoveu na internet e que atualmente já exporta para França, Suíça, Estados Unidos e Austrália.
 
Bisneta de Bordadeiras, Patrícia Costa, de 27 anos, dedica-se à produção, totalmente manual, dos bordados típicos do Vale do Sousa. Tal como ela também o namorado, que dá apoio na gestão e gere a área da Internet, tem família com ligação ao bordado.
 
“As nossas avós e bisavós bordaram. É uma região muito rica neste tipo de artesanato e daí surgiu a oportunidade de criarmos um negócio relacionado com esta atividade tradicional”, conta Patrícia à Lusa.
 
Com a ajuda de cinco bordadeiras que estavam desempregadas, a empresária revela que o negócio está a “correr muito bem”, com um crescimento constante na faturação. O ano passado atingiu mesmo os 100.000 euros, o triplo de 2012.
 
Em 2011, a jovem decidiu criar um blogue para promover os seus produtos mas o sucesso foi tanto que rapidamente evoluiu para um ‘site’, intitulado Hearts – Hand Embroided Arts – com um vasto portefólio de produtos.
 
“Criámos peças aliando a tradição à modernidade”, afirma, explicando que o sucesso do negócio também se deve à aposta em mercados com elevado poder de compra, com produtos inovadores, incluindo acessórios de moda, como lenços de seda e carteiras de senhora.
 
Mais de 90% dos bordados, que incluem atoalhados de mesa, roupas e acessórios de moda que saem diariamente do seu ateliê destinam-se à exportação para França, Suíça, Estados Unidos e Austrália.

Há peças que custam 3.000 euros
 

Algumas peças chegam a custar mais de 3.000 euros pois demoram tempo a fazer (em certos casos mais de um mês), são exclusivas e feitas totalmente à mão. “Aqui não entram máquinas. É tudo manual, não são utilizados computadores ou 'software' de 'design'”, salienta Patrícia.
 
A empresária candidatou-se a um incentivo à internacionalização desenvolvido por uma incubadora de empresas de Braga com o objetivo de ultrapassar os 200.000 euros de faturação ainda este ano.
 
Graças a esse apoio, a empresa vai participar em feiras no Dubai, Japão, Estados Unidos, Suíça e Inglaterra. 
 
“Só trabalhamos com tecidos naturais, como o algodão e o linho. Queremos que a nossa empresa valorize e preserve o meio ambiente e que reduza os gastos de energia”, garantindo que não se vai desviar do caminho seguido até agora.
 
Se tudo correr bem, Patrícia pretende “dar emprego às pessoas e valorizar o que é nosso”. Para além disso, tem ainda como objetivo apostar na formação de mão-de-obra, sobretudo de jovens da região que queiram aprender a arte de bordar de acordo com os métodos tradicionais.
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close