Saúde

Leucemia: Terapia experimental poderá salvar vidas

Uma terapia experimental que consegue "treinar" as células imunitárias dos pacientes e fazê-las reconhecer uma forma de leucemia muitas vezes fatal foi capaz de encolher tumores e fazer o cancro entrar em remissão em doentes adultos.
Versão para impressão
Uma terapia experimental que consegue “treinar” as células imunitárias dos pacientes e fazê-las reconhecer uma forma de leucemia muitas vezes fatal foi capaz de encolher tumores e fazer o cancro entrar em remissão em doentes adultos. O sucesso do procedimento foi dado a conhecer através de um estudo norte-americano publicado recentemente. 
 
Embora uma abordagem semelhante já tenha tido resultados prometedores em crianças com este tipo de cancro, é a primeira vez que esta terapia em particular funciona em pacientes em idade adulta. Segundo os investigadores do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, nos EUA, responsáveis pelo estudo, a nova terapia tem “potencial para salvar vidas”.
 
Este tratamento experimental foi utilizado no combate à leucemia linfóide aguda, um tipo de cancro nas células sanguíneas que é, muitas vezes, resistente à quimioterapia e que pode matar em apenas semanas. Normalmente, a doença tende a ser mais comum em crianças, mas é especialmente mortal para os adultos.
 
Durante o estudo, que envolveu cinco pacientes, os cientistas trabalharam com as células T, uma espécie de glóbulos brancos que atacam 'invasores' previamente programados pelo organismo e que conseguem reconhecer. Porém, uma vez que não conseguem identificar células de patologias como o cancro ou vírus como o HIV, são incapazes de impedir as doenças.
 
Os especialistas norte-americanos, co-coordenados por Michel Sadelain, decidiram extrair as células T de pacientes com 23, 58, 56, 59 e 66 anos e misturaram-nas com um vírus inofensivo que as programou de três formas diferentes.

Células T reprogramadas mataram leucemia
 

Primeiro, as células foram treinadas para reconhecer sinais das células da leucemia (denominados CD19), depois, foram instruídas a matar todas as células do género que encontrassem e, finalmente, tornaram-se mais resistentes graças à ação do vírus, sobrevivendo por mais tempo no organismo.
 
Depois de um período de 10 a 12 dias, as células T “reprogramadas” voltaram a ser colocadas nos respetivos pacientes e, em quatro destes, a leucemia tornou-se indetetável após 18 a 59 dias. Um dos pacientes alcançou mesmo a remissão depois de somente oito dias de tratamento, um resultado surpreendente para os investigadores.
 
“As células T são fármacos vivos”, afirma Sadelain, citado pela agência Reuters, acrescentando que estas “detetam o CD19, matam as células cancerígenas e conseguem manter-se no no organismo”. 
 
No entanto, o tratamento não é fácil para os pacientes – depois da reinserção das células T modificadas, um dos voluntários desenvolveu uma febre altíssima e uma pressão arterial muito elevada, sintomas habituais em consequência deste tipo de procedimento mas que podem ser controlados com recurso a esteróides.
 
Os cientistas estão, agora, a angariar fundos para trabalhar num estudo mais amplo, com 50 ou mais pacientes, não apenas no centro Sloan-Kettering mas também noutras instituições de investigação relacionadas com o cancro, como o Dana-Farber Cancer Institute, em Boston.
 
Até ao momento, os cientistas norte-americanos, cujo trabalho foi recentemente publicado na revista Science Translational Medicine, já trataram três outros pacientes além destes e acreditam que os resultados teriam sido ainda melhores se a terapia tivesse sido iniciada numa fase precoce da doença.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close