Saúde

Laboratórios vão notificar doenças transmissíveis

No âmbito do novo sistema nacional de vigilância epidemiológica (Sinave), coordenado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), os laboratórios, tal como os médicos, passam a ter a responsabilidade de declarar os diagnósticos de doenças contagiosas. As nova
Versão para impressão
No âmbito do novo sistema nacional de vigilância epidemiológica (Sinave), coordenado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), os laboratórios, tal como os médicos, passam a ter a responsabilidade de declarar os diagnósticos de doenças contagiosas. As novas normas entram em vigor já em 2011.

Com o objetivo de diminuir o risco de contágio das doenças e para detetar resistências a antibióticos que outrora escapavam à rede de informação, os laboratórios terão à sua disposição um formulário no sistema informático, que substituirá, assim, a declaração em papel.

“Atualmente o que acontece é que cada um sabe o que se passa no seu lugar e perde-se uma noção do todo. O novo sistema permite saber diariamente o que se passa em todo o país. Podemos ter relatórios diários sobre estas doenças”, refere Mário Carreira, médico de saúde pública na divisão de epidemiologia da DGS e coordenador do Sinave, em declarações ao jornal Público.

No fundo, o que se pretende é que este projeto optimize a resposta da DGS às várias ameaças que poderão comprometer a saúde pública, melhorando a eficácia e a rapidez com que são emitidos os alertas de emergência pública.

Para que a plataforma Sinave possa arrancar já em janeiro de 2011, a DGS tem vindo a reunir-se com algumas das entidades envolvidas no projeto e, nos próximos meses, enquanto se aguarda a regulamentação da lei, deverá ter lugar a formação junto dos profissionais de saúde.

Até lá, há que dar tempo para a adesão dos laboratórios e para a publicação da portaria com a lista de doenças transmissíveis de declaração obrigatória. “Vamos adotar a lista que se encontra na diretiva europeia”, adianta Mário Carreira.

A esta lista vão juntar-se a febre escaro-nodular (vulgarmente designada por febre da carraça), a brucelose (também conhecida por febre de Malta) ou a doença de Creutzfeldt-Jakob. No total, a lista inclui 59 doenças transmissíveis de declaração obrigatória mas, avisa Mário Carreira, poderá ser alterada quando necessário.

De acordo com o Público, o novo sistema de vigilância vai estar integrado na rede europeia Tessy (The European Surveillance System), estando também já preparado para o envio de dados para o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), sediado em Estocolmo.

A lei sobre o sistema de vigilância em saúde pública estabelece ainda a criação de um Conselho Nacional de Saúde Pública que inclui duas comissões especializadas (Vigilância Epidemiológica e Emergência), estruturas que estão a ser formadas.

O diploma do ano passado mudou ainda o regime de sanções que vigorava desde 1949 e aumentou as multas para quem não notificar doenças contagiosas dos “200 escudos” a valores que oscilam entre os 100 e os 25 mil euros.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close