Mundo

Jesuítas alemães vão indemnizar vítimas de abusos

A Ordem dos Jesuítas vai pagar indemnizações às vítimas de abusos sexuais que - devido à morte ou doença dos seus abusadores - já não podem levar os casos a tribunal. A Ordem torna-se assim a primeira instituição da Igreja Católica a admitir a existê
Versão para impressão
A Ordem dos Jesuítas vai pagar indemnizações às vítimas de abusos sexuais que – devido ao desaparecimento, morte ou doença dos seus abusadores – já não podem levar os casos a tribunal. A Ordem torna-se assim a primeira instituição da Igreja Católica a admitir a existência destes casos e a compensar diretamente as vítimas.

Em janeiro, um escândalo sexual atingiu a Alemanha com centenas de vítimas das escolas católicas – muitas delas jesuítas – a denunciar os abusos de que foram alvo entre os anos 50 e 80.

O prelado da província alemã dos jesuítas, Stefan Kiechle disse ao jornal Sueddeutsche Zeitung que os abusadores devem assumir e reparar as suas ações.

“No entanto”, continuou o responsável, “muitos [dos padres] desapareceram, estão doentes, ou mortos, por isso nós, enquanto ordem, temos de assumir a responsabilidade nos casos em que esses abusos que estão provados mas já não podem ser litigados”.

“Reconhecemos a necessidade de os jesuítas darem um sinal, para que o processo avance, no interesse das vítimas”, disse o prelado da província alemã dos jesuítas, Stefan Kiechle, em declarações.

Kiechle adiantou que a ordem vai avançar com as compensações sem esperar por uma decisão da Igreja Católica e está a ponderar uma indemnização simbólica, entre cinco a 25 mil euros, a cada uma das vítimas, depois de uma comissão independente apurar quem tem direito a ser ressarcido.

Além disso, não deve ser utilizado dinheiro de donativos para pagar as indemnizações, nem devem ser retiradas verbas de projectos em curso, e por isso a ordem “terá de fazer poupanças”, sublinhou o mesmo responsável.

O porta-voz da organização que representa as vítimas, Matthias Katsch, elogia a iniciativa mas salienta que cinco mil euros “não são suficientes”, acrescentando quer a Ordem dos Jesuítas deveria pagar 54 mil euros a cada vítima, “o que não seria exagerado”.

Kiechle, por sua vez, sublinhou que a soma a pagar “é simbólica, e apenas um gesto de impotência dos jesuítas perante o sofrimento das vítimas”.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close