Mundo

Irão perto de banir as execuções por apedrejamento

O Irão pretende abolir a execução de sentenças de morte por apedrejamento e banir a pena de morte para menores condenados em tribunal, através da alteração do seu código penal.
Versão para impressão
O Irão pretende abolir a execução de sentenças de morte por apedrejamento e banir a pena de morte para menores condenados em tribunal, através da alteração do seu código penal.
 
De acordo com o anterior código penal, o apedrejamento até à morte, também conhecido por lapidação, era a sentença aplicada ao crime de adultério. 
 
Além disso, o último relatório da Human Rights Watch já dava conta que o regime iraniano liderava a lista de execuções de condenados com menos de 18 anos, pelo que a proibição da execução de menores será outra medida a ser tomada. 
 
Drewery Dyke, especialista da Amnistia Internacional do Irão, afirma que “a execução é um conceito jurídico específico no Irão. A sentença para um assassinato no Irão designa-se ‘retribuição da alma’ para a lei islâmica”, acrescentando que inclusive as crianças podem ser mortas, quando acusadas de homicídio.
 
O Irão regista o maior número de execuções de jovens a nível mundial. Cerca de cem homens e mulheres terão sido executados por apedrejamento, segundo activistas iranianos.

Só no ano passado, foram noticiadas três execuções de jovens e atualmente a organização da defesa dos direitos humanos calcula que uma centena caminhe para o mesmo fim.

 
Segundo o Financial Times, já em Setembro do ano passado, Ban Ki-moon, Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), tinha expressado a sua preocupação em relação aos “(…) relatos de aumento do número de execuções, amputações, prisões e detenções, tortura e julgamentos injustos de maus-tratos.”

Falta apenas a assinatura do presidente

 
Os media iranianos adiantam que as alterações já foram aprovadas pelo Conselho dos Guardiões – influente organismo que deve garantir que as leis do país não contrariam a lei islâmica (sharia).

“As mudanças são importantes e positivas, porque o código penal estará mais próximo das leis modernas, dando-lhe uma ordem lógica e moderando as suas imperfeições”, revelou um advogado ao Financial Times. Resta apenas a assinatura do presidente para as novas leis entrarem em vigor.

 
Por outro lado, Drewery Dyke adverte que “eles removeram a sentença de apedrejamento por adultério, mas nós ainda não sabemos que tipo de sentenças serão prescritas com a nova lei”.
 
O Irão revela um passado “pobre” em direitos humanos. A execução é a pena principal para assassinatos, adultério, homossexualidade, tráfico de drogas e qualquer acto que se considere perturbador para a ordem política, económica e social do país.

No entanto, segundo a imprensa iraniana, a nova lei deverá entrar em vigor muito em breve.

[Notícia sugerida por Elsa Martins]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close