Ambiente

Investimento mundial em energias limpas bate recorde

O investimento global em energias limpas atingiu números recorde em 2011, tendo crescido 5% apesar do ano turbulento vivido em termos económicos.
Versão para impressão
O investimento global em energias limpas atingiu números recorde em 2011, tendo crescido 5% apesar do ano turbulento vivido em termos económicos nos vários setores de atividade. 
 
A conclusão é da Bloomberg New Energy Finance que esta semana deu a conhecer, em comunicado, um aumento de cerca de 230 mil milhões de euros no investimento em todo o mundo durante o ano passado, o que corresponde a quase cinco vezes o investimento total em 2004.
 
De acordo com a entidade, os valores são “particularmente impressionantes” por terem sido conseguidos em circunstâncias tão adversas e durante um período em que a indústria das energias renováveis sofreu “grandes pressões em termos de margens de lucro, falências, cortes nos apoios”, entre outras contrariedades.
 
Os aspetos mais relevantes de 2011 dizem respeito a um crescimento de 36% na aposta global em enegia solar e a uma queda de cerca de 17% no investimento em energia eólica.

Segundo Michael Liebreich, diretor executivo da Bloomberg New Energy Finance, o sucesso da energia solar é surpreendente “se considerarmos que o preço dos painéis fotovoltaicos foi reduzido em 50%”, embora esta redução tenha sido compensada com o aumento das vendas.


EUA e Europa com boas prestações
 
Outro fator a realçar é o desempenho dos Estados Unidos durante o período em questão, já que o país conseguiu ultrapassar a China, que se encontrava à frente em termos de investimento em energias limpas desde 2009. Nos EUA, em 2011, o investimento subiu mais de 33%, ao passo que na China o crescimento foi de apenas 1% face a 2010.
 
Globalmente, a Europa assistiu a um aumento de 3% na aposta neste tipo de energias, sendo a instalação de painéis solares o investimento mais relevante, em especial na Alemanha e em Itália. O documento destaca ainda a contribuição do Brasil e da Índia, que também contaram com um crescimento significativo de renováveis.
 
Fazendo um balanço, Michael Liebreich frisou que “2011 foi um ano melhor para a indústria das energias limpas do que aquilo que poderíamos ser levados a acreditar devido à cobertura noticiosa”.

O responsável alertou para o facto de “por cada companhia a operar com margens negativas” haver “um empresário a conseguir um bom negócio” e olhou para 2012 com esperança, defendendo que este será, provavelmente, “outro ano desafiante”.

Clique AQUI para ler o comunicado na íntegra (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close