Negócios e Empreendorismo

Imóveis: Lisboa atrai mais investidores do que Londres

A edição deste ano do Emerging Trends in Real Estate, um relatório que avalia anualmente como é que os profissionais de imobiliário na Europa estão em relação às suas perspetivas de negócios, coloca Lisboa no ranking das melhores 10 cidades para se i
Versão para impressão
A edição deste ano do Emerging Trends in Real Estate, um relatório que avalia anualmente o interesse dos profissionais do ramo imobiliário na Europa, coloca Lisboa no ranking das melhores 10 cidades para se investir em imobiliário, ficando à frente de cidades como Londres ou Milão.

A capital surge em nono lugar desta lista, saltando 17 posições em relação a 2014. Desta forma, consegue estar à frente de cidades como Londres (no último lugar do 'top' 10), Milão ou Roma, que em 2015 desceram para o 12º e o 27º lugares, respetivamente.

O mesmo relatório, feito pelo Urban Land Institute e pela PWC, salienta ainda a medida dos 'Vistos Gold', estabelecida pelo Governo em 2012, e que permitem residência permanente a todos os investidores que adquirirem 500 mil euros ou mais em imóveis.

Segundo a mesma fonte, esta medida tem trazido vários investidores a Portugal, fazendo com que o país se torne um dos preferidos para se investir em imobiliário.

Esta lista destaca a recuperação económica de algumas cidades da Europa do Sul, tal como Atenas e Madrid (a cidade espanhola ficou colocada em terceiro lugar, estando pela primeira vez neste 'ranking', tal como Lisboa). A capital grega e Amesterdão estão também nesta lista pela primeira vez, surgindo em quinto e em oitavo lugares, respetivamente.

No total, são 28 cidades avaliadas por este relatório, que coloca Zurique nas últimas posições. Moscovo também é outra das cidades que caiu no 'ranking', até ao último lugar, sobretudo devido ao clima de guerra e instabilidade que se vive há mais de ano naquela região, marcado pela anexação da Crimeia, em Março do ano passado.

“As sanções da Europa e dos Estados Unidos levaram a restrições nos bancos e corporações russas”, conforme é descrito no relatório. Para além disso, “esta política instável e o clima económico ajudaram a uma quebra no mercado imobiliário daquele país”, salienta ainda o mesmo estudo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close