Ciência Em Destaque

Idosos com melhor desempenho cognitivo têm o cérebro mais ativo mesmo a dormir

Estudo do ICVS-UMinho e de cientistas internacionais publicado na revista “Scientific Reports”
Versão para impressão
por redação

Uma equipa internacional, que inclui cientistas do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho, mostrou pela primeira vez que os idosos com melhor desempenho cognitivo têm uma atividade cerebral mais intensa e coordenada até quando estão a descansar. A investigação foi publicada na reputada revista “Scientific Reports”, do grupo Nature, e pode abrir pistas para perceber a origem do declínio cognitivo e o processo natural de envelhecimento.

O grupo de trabalho junta Joana Cabral, Nuno Sousa, Paulo Marques, Ricardo Magalhães, Pedro Silva Moreira (todos do ICVS), Morten Kringelbach (Universidade de Aarhus, Dinamarca) e Gustavo Deco (Universidade Pompeu Fabra, Espanha). A equipa gravou e analisou a atividade cerebral de 100 idosos portugueses saudáveis com níveis diferentes de capacidades cognitivas e descobriu padrões distintos, graças a um novo método de deteção que desenvolveu para o efeito, o “Leading Eigenvector Dynamics Analysis”. Concluiu-se que os participantes com melhor desempenho cognitivo têm uma maior atividade cerebral mesmo quando estão a descansar dentro do aparelho de ressonância magnética.

Na prática, a conectividade funcional dos idosos que têm menor desempenho cognitivo alterna de forma errática entre configurações de rede diferentes no cérebro; já os restantes idosos conseguem construir e manter padrões de conetividade específicos durante mais tempo e seguem redes mais estruturadas de reconfigurações. Estes resultados apontam para nova evidência relacionando as dinâmicas da conetividade funcional com o desempenho cognitivo em idades avançadas, reforçando o papel funcional da atividade cerebral espontânea para o processamento cognitivo.

A influência da educação e da vida ativa

“Ao usar este novo método podemos caraterizar de forma eficiente o repertório de estados de rede que o cérebro humano explora durante o descanso”, diz a autora principal Joana Cabral, que na altura do estudo estava na Universidade de Oxford, no Reino Unido. “Fomos capazes de demonstrar que o desempenho cognitivo na vida avançada está relacionado com a paisagem dinâmica dos estados cerebrais, que podem ser moldados ao longo da vida através de fatores como a educação, o estatuto socioeconómico, a participação em atividades exigentes em termos cognitivos ou até a disposição”, realça.

Este estudo ajuda a perceber as dinâmicas do cérebro saudável no envelhecimento e mostra desigualdades significativas entre pessoas que apenas diferem na sua capacidade cognitiva. “A longo prazo, esperamos caraterizar a evolução destas mudanças ao longo dos anos nos mesmos indivíduos, visando a identificação precoce daqueles que possam precisar de ajuda. Por outro lado, isto pode também ajudar a identificar algumas das capacidades cognitivas que caraterizam a sabedoria da idade”, acrescenta Morten Kringelbach.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close