Saúde

Hospital lisboeta faz procedimento inédito em bebé

O Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, realizou, a semana passada, uma cirurgia inédita. A intervenção serviu para abrir a válvula pulmonar num bebé com pouco mais de um quilo e apenas 28 dias de vida.
Versão para impressão
O Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, realizou, a semana passada, uma cirurgia inédita. A intervenção serviu para abrir a vávula pulmonar num bebé  com pouco mais de um quilo e apenas 28 dias de vida. 
 
Devido ao baixo peso da criança, tratou-se de um procedimento pioneiro em Portugal, realizado com sucesso e em conjunto com a equipa de neonatologia do Hospital de Santa Maria, também na capital portuguesa.

A cirurgia não exigiu que se abrisse o coração, sendo a válvula desobstruída com recurso a um catéter introduzido pela veia da perna e conduzido até ao coração.


O cardiologista pediátrico responsável, Rui Anjos,  explicou à Lusa que o bebé tinha um diagnóstico pré-natal de doença cardíaca –  uma estenose da válvula pulmonar – e de acumulação de muitos líquidos, em consequência da patologia.

A criança nasceu com 1,100kg e teve que ser imediatamente entubada e ligada  ao ventilador. A válvula  que leva sangue do ventrículo direito do coração para os pulmões estava demasiado apertada e provocou a acumulação generalizada de líquido, que estava a colocar a vida do bebé em sério risco.

Após a extração dos líquidos, a criança ainda ficou durante vários dias em situação instável a nível cardíaco e respiratório, o que impediu uma intervenção imediata. No entanto, “à medida que o tempo foi passando, percebemos que o aperto da válvula pulmonar o impedia de progredir”.

Procedimento é muito raro até a nível internacional


“Então decidimos que, apesar do baixo peso,  o bebé não iria a lado nenhum se não lhe abríssemos a válvula”, justificou Rui Anjos. Foi precisamente a prematuridade do bebé que tornou este procedimento inétido, uma vez que nunca uns órgãos tão jovens  tinham sido alvo de uma intevenção deste tipo. “Mesmo internacionalmente é muito raro”, salientou.

“Um quilo é um pacote de açúcar. Este procedimento, em bebés de peso normal, acima dos três quilos, já se faz com certo à vontade”, mas para uma criança com tão baixo peso nem sequer há material específico, salientou o especialista. Como tal, os médicos precisaram de recorrer a “material que se utiliza habitualmente para tratar artérias coronárias num adulto”. 

“Foi o que usámos para fazer a dilatação neste bebé, primeiro com um  cateter, depois com fios e balões. Dilatámos a válvula, correu bem, sem intercorrência nenhuma, mas foi tecnicamente difícil” e um trabalho de grande precisão, explicou Rui Anjos.

Ainda segundo o responsável, a veia da perna tinha menos de um milímetro e a válvula tinha apenas três milímetros, o que significa que um movimento mais brusco poderia resultar no rompimento de um vaso sanguíneo.

No próprio dia em que foi sujeito à intervenção, o bebé voltou para Santa Maria. Cinco dias depois, o ventilador foi finalmente desligado. 

Notícia sugerida por Elsa Martins e Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close