Ambiente

Hamburgo proíbe cápsulas de café na função pública

A administração da segunda maior cidade da Alemanha instaurou critérios ambientais que devem ser considerados na compra pública de bens, serviços e produtos. Um desses critérios baniu o uso de cápsulas de café nas repartições públicas da cidade.
Versão para impressão
A administração da segunda maior cidade alemã adotou critérios ambientais rígidos que devem ser cumpridos na aquisição pública de bens, serviços e produtos. Um desses critérios passa pela proibição de cápsulas de café nas repartições públicas da cidade.

O documento – um guia de 150 páginas para contratos ecologicamente conscientes – também proíbe a compra de garrafas de plástico, produtos de limpeza com cloro e talheres de plástico, entre outros.

Com esta medida, introduzida em Janeiro deste ano, a cidade espera reduzir a quantidade de resíduos sólidos lançados no meio ambiente. 

Mas a probição das cápsulas de café, um produto altamente consumido nos tempos atuais, é o ponto do guia que tem chamado mais atenção dos meios de comunicação. O governo local insistiu nesta proibição uma vez que estas cápsulas são feitas à base de plástico e alumínio o que torna a sua reciclagem muito difícil. 

Hamburgo quer ser exemplo

Todos os anos a cidade de Hamburgo investe, em média, 250 milhões de euros na compra de bens, produtos e serviços.

Com esta medida a cidade espera agora implementar novos critérios de aquisição de base ecológica, o que inclui custos relacionados com o tempo de vida útil de um produto, a sua facilidade de reparação e nível de reciclagem.

Para Jens Kerstan, senador do Meio Ambiente e Energia, a medida “dá um sinal importante às empresas e aos indivíduos, incentivando-os a ter mais cuidado com as consequências das suas decisões de compra e a prestar atenção à história de cada produto”.

Com um poder de compra de várias centenas de milhões de euros por ano, a cidade pode ajudar a garantir que os produtos prejudiciais ao ambiente sejam comprados menos frequentemente e que os produtos sustentáveis consigam uma maior aceitação no mercado. O nosso objetivo é aumentar de forma significativa a quota de produtos ecológicos”, acrescenta o responsável.

Entre os benefícios que a cidade espera obter destacam-se a poupança de energia, maior eficiência energética, a utilização de energias renováveis e redução das emissões de dióxido de carbono. “Os produtos verdes geralmente são mais duráveis, e frequentemente requerem menos energia durante as fases de produção e utilização”, acrescenta Kerstan.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close