Cultura Em Destaque

Há poemas de Sophia de Mello Breyner à solta no Porto de Leixões

Dia Mundial da Poesia
Versão para impressão
No próximo dia 21 de março, amanhã, a poesia volta a atracar no Porto de Leixões, com a ampliação da barreira de contentores criada em 2011 e que tem como objetivo mitigar o impacto das operações portuárias junto da comunidade local.
Assim, à ‘Ode Marítima’, de Álvaro de Campos, a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) junta cinco de poemas da antologia ‘Mar’, de Sophia de Mello Breyner.

“O Porto de Leixões está localizado paredes-meias com a população de Matosinhos, pelo que pretendemos continuar a diminuir o impacto visual, o ruído e a poeira que resulta da atividade portuária. E queremos fazê-lo de forma visualmente atrativa para a comunidade local”, sustenta a APDL.

Com a assinatura dos arquitetos Francisco Vieira de Campos e Cristina Guedes do gabinete de arquitetura Menos é Mais, conta com imagens gráficas de Francisco Providência, a nova barreira de contentores, que está localizada na Doca 2 Sul do Porto de Leixões e que tem cerca de dez metros de altura e 195 m de cumprimento, será inaugurada naquele que é o Dia Mundial da Poesia.

Recorde-se que a primeira barreira de contentores, construída em 2011 e desenvolvida pelo gabinete de arquitetura Menos é Mais, contou com imagens gráficas da autoria de Francisco Providência e com versos da ‘Ode Marítima’ de Álvaro de Campos, um dos heterónimos de Fernando Pessoa.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close