Fitness & Bem-estar

Guia da Nutrição: Do Prato para o Cérebro

Sabemos que os atletas comem para vencer, mas será que as crianças também podem comer para aprender? A resposta é: Claro que sim!
Versão para impressão
Sabemos que os atletas comem para vencer, mas será que as crianças também podem comer para aprender? A resposta é: Claro que sim! Inúmeros estudos têm demonstrado que pode melhorar todas as facetas da inteligência (atenção, concentração, memória, resolução de problemas, resposta emocional e coordenação motora) alterando simplesmente os alimentos que coloca no prato ou na lancheira do seu filho.

[por Sara Pinhão, Nutricionista Funcional]

Image and video hosting by TinyPic A importância dos primeiros anos  
A colocação dos primeiros “tijolos” da construção do cérebro tem início no momento da conceção, pelo que desde logo o estado nutricional da mãe e do pai são cruciais. A alimentação afeta não só o número de células cerebrais e conexões entre elas, mas também a forma com que essas conexões são realizadas, isto é, afetam de forma duradoura a  capacidade posterior de aprendizagem do indivíduo.
 
 O período mais rápido de desenvolvimento do cérebro ocorre durante a gestação e nos primeiros anos de vida. No último trimestre da gravidez o cérebro do feto aumenta 2,5 vezes o seu tamanho, atinge metade do seu peso final aos seis meses e 90% do seu peso final aos oito anos.  Durante este período de rápido crescimento o cérebro está mais vulnerável às influências ambientais.
 
 O período da infância funciona como uma janela de oportunidade para o desenvolvimento, podendo o cérebro estar mais recetivo para a aprendizagem. Se tais oportunidades forem perdidas será mais difícil, porém não impossível, que se possam  reativar  futuramente. Image and video hosting by TinyPic
Para ter uma ideia, até aos 10 anos a maior parte das crianças tem a capacidade de aprender fluentemente 3 línguas diferentes e de forma natural, ou seja, sem ter propriamente aulas ou ter que estudar gramática, pois é dos 0 aos 10 anos que se estão a formar os circuitos da linguagem. Por contrapartida, os adultos necessitam de horas de ensino organizado e prática, mas uma criança de apenas 4 anos, e que obviamente não sabe ler nem escrever, é capaz de saber já duas línguas diferentes e distingui-las enquanto fala, sem baralhar os idiomas. Fantástico, não é?
 
Apesar do ambiente nutricional saudável ser crucial a partir do primeiro momento da vida, pesquisas mostram que com a alimentação correta é possível melhorar do desempenho mental tanto em crianças ditas saudáveis como em crianças com  doenças degenerativas do cérebro e/ou necessidades especiais de aprendizagem.  Ou seja, nunca é tarde demais para ajudar o seu filho a melhorar a capacidade de aprendizagem, leitura, pronuncia, caligrafia, memória, atenção e concentração.
 
Como construir um cérebro inteligente
Existem compostos essenciais para um cérebro inteligente, para maximizar o potencial de aprendizagem do seu filho: hidratos de carbono complexos, ácidos gordos essenciais, fosfolípidos, aminoácidos, vitaminas e minerais.
Contudo, existem compostos que poderão perturbar/danificar o cérebro, dificultando o normal processo de aprendizagem e desenvolvimento cerebral, pelo que deverão ser evitados: açúcar refinado, gorduras danificadas, aditivos alimentares, minerais tóxicos e alérgenos alimentares.
 
Da teoria ao prato
1.º – Açúcar
Alguma vez foi buscar o seu filho a uma festa de aniversário e ao abrir a porta deparou-se com uma sala cheia de miúdos descontrolados a treparem pelas paredes? Em grande parte este fenómeno deve-se ao efeito do açúcar em excesso no cérebro das crianças. No dia a dia existem inúmeras fontes de açúcar a que o seu filho tem acesso e que contribuem para um descontrolo do seu cérebro com manifestações no seu comportamento – demasiada energia, incapacidade de estar sentado e concentrado nas aulas.
Corte no açúcar refinado e todas as fontes de açúcar: sumos, cereais de pequeno-almoço açucarados, bolos, bolachas, chocolates (mesmo chocolate em pó), gomas e rebuçados.
Para fornecer o melhor combustível para o cérebro, prefina hidratos de carbono complexos e cheios de vitaminas e minerais como a aveia em flocos para o pequeno-almoço, pão de mistura ou de cereais para o lanche e massas, arroz e leguminosas nas refeições.
Image and video hosting by TinyPic  
2.º Gorduras essenciais Ómega-3
Durante o desenvolvimento no útero da mãe, metade de toda a nutrição que o bebé recebe é canalizada para alimentar o seu cérebro. No cérebro, as gorduras têm um papel fundamental, uma vez que 60% do mesmo é formado por gordura. Estas gorduras essenciais são tão importantes que se a grávida não as ingerir em quantidade suficiente o bebé vai começar a roubar diretamente do cérebro da mãe e daí muitas grávidas sentirem falta de memória, dificuldade de concentração e cansaço mental. Contudo, nem todas as gorduras são boas e o tipo de gordura que o seu filho ingere altera a composição do seu cérebro. Assim, evite a chamada 'comida de plástico', os fritos e todos os alimentos muito processados como bolachas e bolos industriais.
Prefira gorduras essenciais ómega-3, isso significa que o seu filho deve comer peixe regulamente, em especial peixe gordo como cavala, arenque, sardinha, atum fresco ou salmão e incluir nozes e sementes na maioria dos dias como as sementes de linhaça, de abóbora ou girassol.
 
3.º Fosfolípidos
Image and video hosting by TinyPicTalvez nunca tenha ouvido falar, mas os fosfolípidos são uma espécie de gorduras importante e que no cérebro revestem os neurónios e porta

nto são fundamentais na comunicação entre as células cerebrais quando estamos a pensar, a aprender, a recordar e a conhecer o mundo através dos sentidos. Para que o seu filho tenha um super cérebro inclua na sua alimentação peixe, ovos e frutos secos.
O ovos são uma fonte excecional de fosfolípidos. Dê preferência aos ovos orgânicos e ricos em ómega-3.
 
4.º Vitaminas e minerais
As vitaminas e minerais podem não ser os atores principais da peça, mas são eles que trabalham nos bastidos e sem os quais a peça seria um fracasso. Se privar o seu filho de determinadas vitaminas ou minerais estará a comprometer determinadas reações no cérebro. Uma dieta com muita fruta e hortaliça fresca, sementes, nozes e cereais integrais é mais rica em vitaminas e minerais. As frutas e hortícolas são também particularmente ricos em antioxidantes e serão o melhor aliado da saúde do seu filho para o protegerem de danos nas suas células e prevenir inúmeras doenças incluindo certos tipos de cancro. Este grupo de alimentos é muitas vezes mal recebido pelas nossas crianças mas, como pai e mãe, seja persistente e criativo. Ofereça estes vegetais crus, cozinhados, salteados, em saladas ou em sopas. Esta é a idade ideal para criar bons hábitos para a vida.
 
5.º Aditivos e químicos alimentares*
Nos últimos 50 anos foram adicionados aos nossos alimentos mais de 3.500 novos químicos, desde corantes, espessantes, emulsionantes, estabilizantes, bem como pesticidas e herbicidas. Todos estes compostos são classificados como “antinutrientes”, isto é, são substâncias que interferem com a nossa capacidade de absorver  ou de utilizar os nutrientes essenciais e nalguns casos promovem a perda de nutrientes essenciais. A ingestão destas substâncias tem sido associada a problemas de comportamento, alterações de humor e fraco desempenho intelectual.
Para reduzir a exposição do seu filho a estes químicos o melhor é regressar às origens, isto é, evite todos os alimentos processados, industriais e refrigerantes. Prefira alimentos frescos, orgânicos, da época e de produção local.

Image and video hosting by TinyPic  *Aparecem na lista de ingredientes com a letra E seguida de números, por exemplo, E951 que corresponde a aspartame, usado como adoçante.
 
Em suma, as crianças merecem o melhor e com a alimentação correta para o seu cérebro é possível melhorar o seu comportamento e aumentar o QI (Quociente de Inteligência). Existem estudos científicos onde as crianças subiram 10 e até 25 pontos de QI apenas com alterações na sua alimentação.
 
Não existem 2 cérebros iguais, pelo que, junto de um nutricionista poderá obter recomendações personalizadas e específicas para o seu filho. Se está  grávida é a altura ideal para começar!
____________________________________________________________
Image and video hosting by TinyPic A nutricionista Sara Pinhão é fundadora da Nutrexpert, um projeto que associa os mais avançados conhecimentos científicos sobre o funcionamento do organismo, o poder da alimentação e estilo de vida para promover a saúde e o bem-estar físico e emocional. 

Contactos:
sara.pinhao@nutrexpert.pt
www.facebook.com/nutrexpert
913 261 772

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close