Negócios e Empreendorismo

Grupo português ajuda a construir estádios do Mundial

O grupo Martifer está a participar na construção de três dos doze estádios que vão acolher a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. A empresa portuguesa foi escolhida pela organização do Mundial para criar a cobertura e a fachada dos recintos.
Versão para impressão
O grupo Martifer está a participar na construção de três dos doze estádios que vão acolher a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. A empresa portuguesa foi escolhida pela organização do Mundial para criar a cobertura e a fachada dos recintos.

A Arena da Amazónia, na cidade de Manaus, a Arena Fonte Nova, em Salvador, o Estádio Castelão, em Fortaleza, e a Arena do Grêmio, em Porto Alegre contam com as estruturas metálicas do grupo de Oliveira de Frades, sedeado no distrito de Viseu.

A parceria estabelecida com a Martifer foi iniciada no ano passado, sendo que em Dezembro foram entregues as primeiras peças para a construção do Estádio Castelão. Em Janeiro, a empresa entregou a estrutura para a arena de Manaus, num barco que viajou de Aveiro até ao Estado do Amazonas.

“A participação da Martifer em projetos desta dimensão é muito importante, não só para o Grupo, mas também para a generalidade das empresas portuguesas, que beneficiam da imagem de qualidade, rigor e eficiência demonstradas pela empresa nos mercados internacionais”, salienta o vice presidente Jorge Martins, no site oficial da Martifer.

Image and video hosting by TinyPic
[© FIFA – A Arena da Amazónia, cuja estrutura se inspira no ambiente da maior floresta tropical do mundo, vai acolher 44.310 pessoas no Mundial]

A Martifer ganha cada vez mais terreno lá fora

Para o estádio de Fortaleza, a empresa teve a seu cargo a instalação de 34.000 metros quadrados de revestimento de cobertura, produzidos nas fábricas do grupo. O trabalho, “concluído em pouco mais de um ano”, vai ajudar a edificar uma arena com 67 mil lugares e um investimento de cerca de 193 milhões de euros.


Jorge Martins salienta que o Brasil é atualmente o “principal mercado” da empresa, “o que demonstra que o investimento na unidade industrial no país foi uma aposta acertada”. 110 milhões de euros é o valor da carteira de encomendas que o grupo mantém com várias entidades brasileiras.

Para além dos estádios que vão ser inaugurados a 16 de Dezembro pela presidente Dilma Rousseff, a Martifer tem prevista a contribuição em mais projetos naquele país sul-americano, como a criação de uma unidade industrial, de dois centros comerciais e ainda das pontes da Transcarioca e do Museu do Amanhã, ambos no Rio de Janeiro.


A Martifer tem conseguido ganhar terreno a nível internacional muito em parte pelas obras que edifica no território português. A empresa ajuda na construção das estruturas e da cobertura de vários estádios do Euro 2004, designadamente o Estádio do Dragão, Estádio Alvalade XXI, Estádio da Luz e Estádio Municipal de Aveiro.

Lá fora, o grupo participou em projetos como a Caja Magica, em Madrid, os estádios de Lyon e do Lille, em França, o Estágio de Gdansk, na Polónia, a Scottish Hydro Arena, no Reino Unido, e, o mais recente, o King Abdullah Sports City, na Arábia Saudita.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close