Sociedade

Governo lança apoios para trazer emigrantes de volta

O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, o Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020, que inclui apoios destinados a incentivar os emigrantes a regressar a Portugal e ajudar ao "reequilíbrio das entradas e saídas" do país.
Versão para impressão
O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, o Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020, que inclui apoios à contratação de cidadãos portugueses com qualificações elevadas que residam no estrangeiro e à criação de pequenas e médias empresas por não residentes para incentivar os emigrantes a regressar a Portugal e ajudar ao “reequilíbrio das entradas e saídas” do país.
 
De acordo com um comunicado divulgado pelo Governo, este plano estratégico “identifica e articula medidas para os atuais desafios da integração, inclusão e captação de imigrantes e do regresso dos nossos emigrantes no estrangeiro” e será sustentado pelo Portugal 2020.

Pretende-se, portanto, que o projeto vá dar “um novo impulso às políticas migratórias, ajustando as iniciativas às necessidades atuais e projetando novas ações que contribuam para a coesão social e (…) a ligação à diáspora portuguesa”.

 
Em conferência de imprensa, Pedro Lomba, secretário de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, explicou que “a descida da imigração e subida da emigração desde 2010” cria uma necessidade de “reequilíbrio das entradas e saídas que é essencial do ponto de vista demográfico”. 
 
O governante falou aos jornalistas sobre as medidas destinadas a manter a ligação entre os emigrantes e Portugal e a apoiar o regresso destes portugueses, trazendo para o País a sua experiência, e esclareceu que alguns dos apoios previstos se vão basear na contratação de desempregados, criação de emprego próprio, estágios profissionais e projetos de empreendedorismo. 
 
Pedro Lomba defendeu também que é importante manter uma maior ligação com a comunidade portuguesa residente no estrangeiro, sobretudo numa época em que a circulação de pessoas é cada vez mais uma constante, equipando os emigrantes com “mais informação sobre as oportunidades que o País gera” para que estes “possam aproveitá-las”.

O ecretário de Estado destacou ainda a “necessidade” de Portugal manter as boas práticas de integração de estrangeiros que o distinguem e de as melhorar. 

 
Esta é a primeira vez que o Plano Estratégico para as Migrações vai integrar políticas de imigração e políticas de emigração. O plano vai assentar em cinco eixos políticos prioritários: integração de imigrantes, promoção da integração dos novos cidadãos, coordenação dos fluxos migratórios, reforço da legalidade migratória e da qualidade dos serviços migratórios e incentivo, acompanhamento e apoio ao regresso dos cidadãos nacionais emigrantes. 

Notícia sugerida por Maria Nova

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close