Ciência

Folha do cardo pode ser usada no combate ao cancro

NULL
Versão para impressão

Investigadores portugueses estão a estudar a possibilidade de o cardo – planta usada para fazer queijo – ter propriedades anti-tumorais. Até agora ainda são apenas hipóteses, mas caso se confirmem as folhas do cardo podem vir a ser usadas no tratamento de dois tipos de cancro geralmente fatais, um da mama e outro do fígado.

Os estudos vêm a ser feitos desde 2008 por uma equipa do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Baixo Alentejo e Litoral (CEBAL), situado em Beja. Os investigadores têm analisado os extratos naturais de várias partes da planta e já conseguiram perceber que os extratos da folha são os mais ativos e têm mais potencialidades fisioterapêuticas, ou seja eficazes no tratamento de doenças, explicou à Lusa a líder do estudo, Fátima Duarte.

A investigação baseou-se na medicina popular, nos relatos que sugerem o uso do cardo em mezinhas e infusões para tratar problemas digestivos. O que estes investigadores descobriram foi que as folhas do cardo podem igualmente ser eficazes no tratamento de dois tipos de cancro raros da mama e do fígado.

O cancro da mama em questão é fatal em quase 100 por cento dos casos e as terapias que existem são “pouco eficientes”, disse a especialista à Lusa. O cancro do fígado que está a ser analisado é o hepatocarcinoma humano, também fatal.

Até agora os cientistas verificaram que a folha do cardo parece ser mais eficaz no tipo de cancro da mama, mas no outro os resultados também podem vir a ser promissores.

Para comprovar a eficácia a equipa precisa de realizar ensaios in vitro em ratos de laboratório. No entanto, antes disso, ainda há vários passos a percorrer.

Sabe-se que o extrato da folha “consegue bloquear e reduzir muito significativamente a proliferação das células tumorais”, cita a Lusa. Agora os investigadores estão a identificar e caracterizar quimicamente os compostos do extrato, de forma a perceberem quais os que têm potencial anti-tumoral. Pretendem ainda saber se o extrato “consegue influenciar a mobilidade das células tumorais”, fenómeno relacionado com a criação de metástases. 

A investigação está a ser financiada por fundos comunitários e espera, dentro de quatro ou cinco anos, ter informação suficiente para avançar com os ensaios in vitro.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close