Inovação e Tecnologia

FCCN lança Arquivo da Web Portuguesa desde 1996

Pesquisar e consultar páginas ou sites portugueses que já desapareceram da internet é o objetivo do projeto Arquivo da Web Portuguesa, lançado este mês pela Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN).
Versão para impressão
Pesquisar e consultar páginas ou sites portugueses que já desapareceram da internet é o objetivo do projeto Arquivo da Web Portuguesa, lançado este mês pela Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN).

Quem ainda se lembra da primeira versão do Sapo? Tudo era diferente e mais rudimentar, desde o logótipo, aos links disponíveis, passando pela quantidade de destaques em página. Graças ao Arquivo da Web Portuguesa é possível consultar novamente a primeira versão deste motor de pesquisa, datada de 1996.

O primeiro site do jornal Público e do Diário de Notícias, o site da Expo 98 e do Euro 2004 são apenas algumas das outras páginas desaparecidas do ciberespaço que se podem reviver neste arquivo que funciona como um museu da web portuguesa, à semelhança do que acontece com o Internet Archive.

O Arquivo da Web portuguesa é composto por todos os conteúdos alojados sob o domínio .PT e outros classificados como de manifesto interesse para a comunidade portuguesa. Qualquer pessoa pode sugerir o arquivo de sites com conteúdo relevante, através da página http://arquivo.pt/sugerir.

O projeto contém, neste momento, quase de 1.600 milhões de ficheiros arquivados da Web, desde 1996 (45 TeraByte). Este sistema é composto por 61 servidores, somando um total de 1,8 TeraByte de memória, 122 processadores (488 cores) e 340 discos (370 TeraByte). Todo o software utilizado e desenvolvido é livre e baseia-se em código-aberto.

A plataforma armazena diariamente um conjunto de publicações online, selecionadas em colaboração com a Biblioteca Nacional. Trimestralmente, é ainda feito um arquivo exaustivo de toda a Web portuguesa.

Em comunicado de imprensa, Pedro Veiga, presidente da Fundação para a Computação Científica Nacional, explica que na internet “muitos conteúdos têm uma existência efémera e isso pode ser um problema, sendo que, cerca de 50 por cento dos conteúdos disponíveis hoje, passam a estar indisponíveis passados apenas dois meses e 80 por cento dos conteúdos são alterados ou desaparecem passado um ano”, revela o responsável.

Com a disponibilização de mais este serviço, a FCCN “pretende contribuir para o progresso da Internet portuguesa, dando acesso a conteúdos, muitos deles com qualidade e interesse histórico e que só desta forma poderão estar acessíveis a estudantes, investigadores jornalistas e ao público em geral”, salienta o professor.

[Notícia sugerida por Alexandra Maciel]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close