Literatura

Faróis da minha vida – “Poderes Invisíveis”

O prefácio desta obra fundamental não só para historiadores medievais mas também para leitores apaixonados pela época, enquadra à maravilha o seu conteúdo fruto de um conjunto de investigações levadas a cabo durante muitos anos, e em hora tão feliz a
Versão para impressão
Por Manuela Gonzaga

O prefácio desta obra fundamental não só para historiadores medievais mas também para leitores apaixonados pela época, enquadra à maravilha o seu conteúdo fruto de um conjunto de investigações levadas a cabo durante muitos anos, e em hora tão feliz aqui reunidas, pela Temas & Debates/Círculo de Leitores, num único volume. 

Estamos perante a mais perturbadora interrogação que o homem se coloca desde o fundo dos tempos, e respectivas as respostas que, em contexto medieval, lhe foram dadas num tempo muito longo. Ou seja, num tempo que, no caso deste obra, e para melhor enquadramento, ultrapassa as próprias balizas da época em si, pois não descartou as heranças pagãs ou clássicas e o prolongamento nos tempos futuros, pelo menos até ao século XVIII.

Interrogando documentos e fontes várias, nomeadamente na literatura sagrada e profana; vestígios materiais – tumbas, lápides funerárias, necrópoles – José Mattoso revela-nos um imaginário poderosamente alicerçado em práticas religiosas e crenças sobre o Além, e devolve-nos um fresco perturbante, mas também comovedor, sobre a vida perante a morte na Idade Média, sobretudo em contexto peninsular ibérico. 

Que crenças, que pavores, que arrimos, alimentavam os nossos antepassados acerca dos omnipresentes seres invisíveis que povoavam o Céu, o Inferno e outros lugares do Além? Que lugares outros eram esses, que originaram cartografia de género, permitindo “visualizar” o Outro Mundo, e daí deduzir as suas interferências no universo visível? Que “estratégias de defesa ou captação de poderes alheios” esse topos inspirou? E, consequentemente, como se formou e evoluiu todo um sistema de crenças na vida para além da morte, com as suas coerências e as suas incoerências, e as suas práticas e cultos e crenças, muitas das quais enraizadas noutros tantos atavismos de raiz pagã, que sobreviveram às tentativas de controlo e de reformulação por parte das autoridades religiosas e políticas? Em suma, nos tempos medievais, de que se fala quando se fala em mortos, morte, e respectivo culto? 

José Mattoso é um historiador português de referência mundial, e um escritor notável. Um livro dele, seja qual for, é uma privilegiada fonte de conhecimento e de prazer. Não é este o espaço, nem será este o tom para endereçar a crónica aos seus pares que já o conhecem, seguem e cultuam mesmo que sejam de outras áreas científicas. Mas este é, seguramente, um lugar onde o leitor “comum” pode marcar encontro. Sobretudo leitores de romances que dizem não apreciar outros géneros, pois que o romance lhes ocupa todos os momentos dedicados á leitura. E também, ampliando a generalização, para aqueles que “adoram” a Idade Média na sua abrangência secular. 

Pois bem: este livro é-lhes destinado. Não sendo, decididamente um romance, é, num certo sentido, melhor ainda do que a maior parte deles, já que a história que propõe não acaba numa única leitura, antes a estimula, permitindo perceber aspectos que de outra forma permanecem num limbo ou numa zona a que raras vezes o leigo tem acesso. Isto, porque Poderes Invisíveis se lê e relê com um prazer imenso. Sendo um ensaio produzido em contexto académico, é de compreensão imediata para quem tem hábitos regulares de leitura, podendo ajudar muitos leitores a ir mais longe do que lhes é costume, ao introduzi-los nos arcanos do pensamento simbólico medieval, práticas rituais, espíritos, assombrações, Satanás, céu, inferno e purgatório, ritos de passagem, doutrinas e sufrágios, termos de sucessão, necromancia e até poesia trovadoresca que sobre a morte produziu “prantos fúnebres”. 

A obra propõe uma viagem que se pode fazer lentamente, capítulo a capítulo. Por exemplo, “Amor e Morte” na Idade Média; “Satanás, o Acusador”, desvendando segredos, pecados, infracções, mediadores e penitências; “Imaginário do Além em Gil Vicente”. Ou seja, em leitura mais ou menos pausada, novos caminhos que podem vir a suscitar-nos a mais saudável das curiosidades, fruto do interesse em alargar o campo de conhecimento, esclarecendo mitos, dissipando alguma dúvidas e fantasias sobre uma época que continua a suscitar nostalgias e encantos. 

Contra-indicações: obra eventualmente pouco aconselhável a leitores muito eventuais, logo com poucos hábitos de leitura. Requer alguma vontade de enriquecer o conhecimento. Pode ser consumida lentamente. Pode ler-se “aos saltos”, já que os capítulos não são sequenciais. Pode também despertar uma insuspeita paixão pelo género. 
 
Ficha Técnica: MATTOSO, José, Poderes Invisíveis, O Imaginário Medieval, Lisboa, Temas & Debates – Círculo de Leitores, 2013. 

 


Manuela Gonzaga é escritora. Mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, publicou, entre outros, a biografia de António Variações, a de Maria Adelaide Coelho da Cunha, e uma coleção juvenil, “O Mundo de André”, com a chancela do Plano Nacional de Leitura que já vai no 3º titulo. Visite o blog de Manuela Gonzaga em http://www.gonzagamanuela.blogspot.com/ ou o Facebook da autora em https://www.facebook.com/manuelagonzaga.

 


[Manuela Gonzaga escreve de acordo com a antiga grafia]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close