Ambiente

Extinção: Lince-ibérico já não está em "perigo crítico"

Depois de 13 anos de "grandes esforços de conservação", o lince-ibérico saiu da categoria de "em perigo crítico" de extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).
Versão para impressão
Depois de 13 anos de “grandes esforços de conservação”, o lince-ibérico saiu da categoria de “em perigo crítico” de extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). O felino acaba de ser reclassificado para “em perígo”, um nível menos grave da Lista Vermelha daquele organismo, que inclui 77.340 espécies.
 
As avaliações feitas aos exemplares de lince-ibérico existentes revelam que, entre 2002 e 2012, o tamanho da população da espécie aumentou de forma contínua, chegando aos 156 indivíduos adultos, o que implicou uma passagem de 27 fêmeas reprodutoras, em 2002, para 97, em 2012.
 
Em comunicado, o projeto LIFE+Iberlince revela que a área de presença da espécie, que começou a voltar, há pouco tempo, a ser libertada na Natureza em Portugal, também beneficiou de um “aumento considerável”, progressos que resultaram, agora, na reclassificação do lince-ibérico de “em perigo crítico” a “em perigo”. 
 
“Salvar o lince-ibérico da extinção, assegurando, ao mesmo tempo, os meios de subsistência das comunidades locais é um exemplo perfeito”, afirma, citado no mesmo documento, Inger Andersen, diretor-geral da UICN.
 
A opinião é partilhada por Urs Breitenmoser, presidente do grupo de especialistas em felinos daquele organismo. “Esta é uma notícia fantástica para o lince-ibérico e uma excelente prova de que as ações de conservação realmente funcionam”, congratula-se Breitenmoser, alertando, porém, que “o trabalho está longe de estar terminado”.

43 linces devolvidos à Natureza em Portugal e Espanha
 

No âmbito do projeto LIFE+Natureza Iberlince foi iniciada, recentemente, a recuperação da distribuição histórica da espécie na Península Ibérica com o apoio de 19 instituições que introduziram exemplares selvagens e nascidos a partir dos programas de reprodução em cativeiro do Vale do Guadiana, em Portugal e na Estremadura, Castilla-La-Mancha e Andaluzia, em Espanha. 
 
“Nestas novas zonas, onde se libertaram, no total, 43 exemplares desde o ano passado, estão a ser formadas novas comunidades que, no futuro, vão contribuir para garantir a conservação da espécie”, destacam os responsáveis do projeto LIFE+Iberlince. 
 
Ainda assim, frisam, “é necessário continuar a trabalhar arduamente, como até agora, porque embora as populações deste felino estejam a recuperar progressivamente, é preciso garantir o seu crescimento”, o que exige, igualmente, a recuperação das populações de coelho selvagem, o principal alimento dos linces.
 
O LIFE+Iberlince defende, com este fim, entre outras medidas, a criação de um Plano Nacional para repor a população destes animais que inclua, por exemplo, alterações nas estradas que evitem atropelamentos. 
 
De acordo com a UICN, a perda e degradação dos 'habitats' é a principal ameaça para 85% de todas as espécies incluídas na Lista Vermelha – um total de 77.340, das quais 22.784 estão em perigo de extinção. Outros fatores de risco são o comércio ilegal e a proliferação de espécies invasoras.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close