Saúde

Exercício previne cancro da mama, provam portugueses

Um grupo de investigadores liderado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) conseguiu demonstrar, num estudo com ratinhos, que o exercício físico contribui para prevenir o cancro da mama além de reduzir a agressividade das lesões.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores liderado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) conseguiu demonstrar, num estudo com ratinhos, que o exercício físico contribui para prevenir, em quase 50%, o cancro da mama além de reduzir a agressividade das lesões cancerígenas.
 
Para realizar a investigação, a equipa recorreu a 50 ratos fêmea com 4 a 5 semanas de idade. Os animais foram aleatoriamente divididos em quatro grupos experimentais: um grupo sedentário com ratinhos inoculados com cancro da mama (grupo 1), outro grupo exercitado de ratinhos que também estava inoculado (grupo 2) e outros dois grupos de controlo com animais, sem inoculação, um deles sedentário e outro exercitado (grupos 3 e 4).
 
Após um período de adaptação, os animais dos grupos 2 e 4 foram exercitados num tapete rolante a uma velocidade constante de 20 metros por minuto, 60 minutos por dia, 5 dias por semana, nas 35 semanas.
 
Sedentarismo deu origem ao dobro de lesões cancerígenas
 
No final do protocolo experimental, a equipa de investigação verificou que o número de lesões malignas quase duplicou no grupo inoculado sedentário (39 lesões malignas) quando comparado com o grupo inoculado exercitado (21 lesões malignas).
 
Segundo uma das investigadoras, Ana Faustino, o protocolo de exercício físico com a duração de 35 semanas aplicado neste trabalho foi o mais longo realizado até à data neste modelo. “Se pensarmos na translação para o Homem, equivale a aproximadamente 25 anos de prática de atividade física moderada”, refere a jovem cientista.

Exercício físico é preventivo
 
“Os resultados obtidos sugerem que a prática de exercício físico ao longo da vida contribui para uma redução do número de lesões neoplásicas e da sua agressividade e para uma maior vascularização dessas lesões”, acrescenta.
 
“Assim, os resultados suportam a prática de exercício físico moderado para a prevenção de cancro da mama, ou mais concretamente, de fenótipos mais agressivos desta doença.”, conclui Ana Faustino.
 
A investigação, financiada pela FCT, decorreu em parceria com a Universidade de Aveiro no âmbito do projeto “Avaliação bioquímica, morfológica e funcional do catabolismo muscular associado ao cancro da mama: o papel do exercício físico”. 
 
Integram a equipa, pela UTAD, Ana Faustino, Mário Ginja, Adelina Gama, Paula A. Oliveira, Maria João Pires e Bruno Colaço, e, pela Universidade de Aveiro, Rita Ferreira.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close