Saúde

Exercício físico ajuda a tratar depressão

Um estudo pioneiro em Portugal, realizado durante três meses pelo Hospital Magalhães Lemos, a Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e a Universidade do Minho, indica que o exercício físico pode ser um importante aliado da medicação no que to
Versão para impressão
Um estudo pioneiro em Portugal, realizado durante três meses pelo Hospital Magalhães Lemos, a Faculdade de Desporto da Universidade do Porto e a Universidade do Minho, indica que o exercício físico pode ser um importante aliado da medicação no que toca ao tratamento da depressão.

Dos 33 doentes com depressão moderada a grave que integraram o estudo, 26% atingiram a remissão e 21% registaram melhorias significativas. José Carlos Pereira, de 37 anos, é um desses casos de sucesso: ao caminhar 45 minutos após cada dia de trabalho, conseguiu reduzir gradualmente as tomas diárias de antidepressivos.

“[A prática de exercício físico] deu-me uma funcionalidade diferente e fiquei com vontade de viver”, revela José em entrevista à Visão. Helena Tavares, de 55 anos, é da mesma opinião: “A minha vida mudou completamente”, conta a ex-secretária, referindo que também ela reduziu a medicação, tendo agora “paz de espírito”.

O projeto foi coordenado pelo psiquiatra Jorge Mota Pereira, que frisa que a equipa nunca mexeu nos fármacos tomados pelos pacientes, justamente para provar como o exercício físico pode potenciar os seus efeitos, ao libertar “substâncias químicas cerebrais idênticas às dos medicamentos”, nomeadamente serotonina, noradrenalina e dopamina.

À Visão, o responsável adianta ainda que o grupo de doentes que apenas se cingiu aos antidepressivos não registou qualquer melhoria ou remissão.

“Os remédios são importantes, mas não fazem tudo. Costumo dizer que os fármacos estão para a doença como as muletas para a ortopedia”, reitera Joaquim Ramos, diretor clínico do Hospital Magalhães Lemos.

O estudo foi muito bem recebido pelos especialistas internacionais, aquando da sua apresentação em Viena, Áustria, no Congresso Europeu de Psiquiatria, e mereceu o primeiro prémio do Congresso Nacional de Psiquiatria.

Os resultados foram publicados no Journal of Psychiatric Research, uma das revistas científicas internacionais da especialidade mais bem cotadas e coloca-se já a hipótese de realizar um estudo mais alargado, envolvendo Portugal e Austrália.

[Notícia sugerida pela utilizadora Sónia Inácio]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close