Saúde

Estudo: Estar com os amigos faz bem à saúde

Um estudo do Instituto Universitário de Lisboa concluiu que estar e sair com os amigos faz bem à saúde. O mesmo não acontece com os amigos virtuais, uma vez que os especialistas acreditam que quem usa muito as redes sociais sente-se mais só.
Versão para impressão
Estar e sair com os amigos faz bem à saúde. A conclusão é de um estudo do Instituto Universitário de Lisboa que inquiriu mais de 800 portugueses, avança a RTP. O mesmo estudo avisa que as redes sociais não substituem as amizades reais, embora as possam complementar.
 
A investigação portuguesa vem confirmar dados de uma investigação alemã divulgada no início deste ano e que indica que as amizades ajudam a reduzir níveis de stress e infeções. O estudo foi feito junto de uma amostra de cerca de 800 pessoas, de diferentes idades, sexo, escolaridade e de várias zonas do país. 
 
O inquérito continha perguntas sobre o número de amigos virtuais e o número de amigos reais que cada pessoa tinha; a qualidade dessas relações, tanto as virtuais com as “ao vivo”; com que frequência a pessoa estava com os amigos presencialmente ou contactava com eles através do Facebook. 

O estudo também incidiu em questões relacionadas com indicadores de saúde, averiguando os níveis de ansiedade, depressão, energia física, entre outros. 

Por último, os investigadores cruzaram os indicadores ligados à amizade, com os indicadores ligados à saúde (física e mental) e com os indicadores ligados ao bem-estar e à felicidade.

A conclusão é que o número de amigos íntimos está diretamente relacionado com melhores níveis de saúde física e mental. Já as pessoas que apostam sobretudo em amizades virtuais, correm o risco de se sentirem mais sozinhas.

 
Facebook pode ser “complemento” positivo
 
Na verdade, conclui-se que as pessoas que apenas contactam com os seus amigos via online, se sentem menos apoiadas. “O Facebook permite-nos ter a sensação de que estamos ligados ao resto do mundo, porque podemos ver aquilo que se passa e aquilo que os outros andam a fazer”, refere a investigadora Luísa Pedroso de Lima. “Mas as amizades no Facebook por si só não têm consequências positivas ao nível da saúde”, acrescenta. 

O estudo verificou também que, embora não tenha o mesmo valor da amizade real, as relações da sua rede virtual são um “complemento” importante. Neste caso, o Facebook é interpretado como sendo uma estratégia positiva de “alimentar as amizades” reais, conclui a investigadora.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close