Ciência

Especialista reconstrói língua com milhares de anos

A língua protoindo-europeia (PIE), que terá sido a forma de comunicação dos nossos ancestrais, acaba de ser reconstruída, de acordo com as mais recentes investigações de um especialista norte-americano.
Versão para impressão
A língua protoindo-europeia (PIE), que terá sido a forma de comunicação dos nossos ancestrais, acaba de ser reconstruída, de acordo com as mais recentes investigações de um especialista norte-americano. O áudio e o texto desta interpretação língua com 4.500 anos está disponível online.
 
Entre os linguistas é consensual que as línguas europeias modernas descendem de uma só língua comum, conhecida como língua protoindo-europeia (PIE), que terá sido utilizada entre os anos 4.500 e 2.500 antes de cristo. 
 

Uma vez que não há registos escritos desta língua, a sua reconstrução tem sido um desafio. Alguns especialistas, como August Schleicher, um linguista alemão do século XIX, dedicaram grande parte da sua carreira a sistematizar a gramática e a fonética da PIE, recorrendo a métodos comparativos e de reconstrução interna.
 
A primeira tentativa de escrever e pronunciar esta língua veio de August Schleicher que gravou uma pequena fábula em PIE, intitulada “A ovelha e os cavalos”. Essa gravação tem sido, até hoje, uma referência entre os estudiosos da língua e tem vindo a ser atualizada de acordo com novos conhecimentos.
 
A última versão escrita e oral desta fábula, que descreve um encontro entre uma ovelha e um grupo de cavalos, foi criada por um linguista da Universidade de Kentucky (EUA), Andrew Byrd. 
 
Tanto o áudio como o texto da fábula foram publicados, este mês, no site da revista norte-americana Archaeology e permitem-nos perceber, um pouco melhor, como seria esta língua ancestral.

Notícia sugerida por Maria da Luz e Vítor Fernandes

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close