Mundo

Espanha: Aldeia oferece casa a quem montar negócio

NULL
Versão para impressão

Uma pequena aldeia perto de Barcelona, em Espanha, está a tentar dinamizar a economia local de um modo original. Os membros da Associação de Habitantes de Cabestany, povoação com apenas 14 moradores, decidiram oferecer gratuitamente – durante quatro anos -uma casa a quem se comprometer a gerir, também, no mesmo espaço, um negócio próprio.

O anúncio foi difundido nos meios de comunicação social espanhóis. A casa trata-se de um edifício construído recentemente com 360 m2 com o propósito específico de albergar um restaurante, de preferência com uma padaria, e que inclui também uma vivenda para servir de habitação àquele que resolver pôr mãos à obra.

A associação tinha criado em 2005 um fundo comum para construir 12 habitações, pensando vendê-las para recuperar em termos económicos. Porém, por culpa da crise, o plano não foi bem-sucedido e teve de ser redesenhado. Foi assim que surgiu esta nova hipótese: uma das casas foi transformada para poder acolher estabelecimento de restauração.

Após quatro anos – momento em que se acredita que a Europa poderá estar a sair da crise -, o novo residente e mentor do negócio terá de passar a pagar cerca de 500 euros de renda mensal. Porém, os coordenadores da iniciativa afirmam que este é um valor que poderá ser negociado.

A oferta foi dada a conhecer há três dias e já recebeu mais de 200 respostas, conforme explicou à BBC o presidente da Associação de Habitantes de Cabestany. Segundo Xabier Rosell, os interessados são sobretudo profissionais desempregados, a maioria da indústria da construção. Porém, administradores empresariais, professores de educação física e advogados também se candidataram.

Rosell mostrou-se confiante no sucesso do projeto, uma vez que “um restaurante e uma padaria na aldeia poderiam surprir as necessidades a cerca de 10 comunidades próximas”.

O responsável esclarece, no entanto, que é preciso entender o que se pede em troca e que a Associação não pode disponibilizar nada além do espaço. “Temos recebido histórias comoventes. As pessoas contam-nos dramas pessoais e pedem também que lhes ofereçamos os móveis e equipamentos para o restaurante… mas não podemos”, admite.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close