Saúde

Entre andar e correr o que importa é a distância

Qual a atividade mais benéfica para a saúde? Andar ou correr? Esta pergunta tem sido feita por vários especialistas, mas um estudo recente indica que tanto faz se anda ou corre: o que importa mesmo é a distância que percorre.
Versão para impressão
Qual a atividade mais benéfica para a saúde? Andar ou correr? Esta pergunta tem sido feita por vários especialistas, mas um estudo recente indica que tanto faz se anda ou corre: o que importa mesmo é a distância que percorre.

Uma investigação norte-americana quis compreender de que forma estas duas atividades podem ser benéficas para reduzir o surgimento de doenças como a diabetes, a hipertensão, o colesterol alto ou de arteriosclerose. Os cientistas observaram que tanto uma “corrida vigorosa” como uma “caminhada moderada” têm os mesmos efeitos na saúde do corpo humano.

O estudo desenvolvido por Paul Williams e Paul Thompson examinou os resultados de seis anos de atividade de 33.060 corredores e de 15.945 caminhantes. Com distâncias de percurso semelhantes e tempos de atividade diferentes, os dados foram quase idênticos.

“As pessoas tendem a avaliar mais o total do tempo de exercício, do que a distância percorrida. Este estudo mostra que não é necessário puxar demasiado por nós mesmos com a velocidade do exercício para que o risco destas doenças seja reduzido”, explica Paul Thompson, ao jornal norte-americano American Medical News.

Por isso, a mesma distância percorrida com tempos diferentes tem os mesmos benefícios para a saúde. “Enquanto mais rápido se é, mais rápido se obtém resultados. Contudo, uma caminhada lenta e constante leva-nos ao mesmo ponto”, salienta Paul Thompson.

Aposte no exercício físico e reduza os medicamentos

O número de pessoas envolvidas neste estudo é apontado pelos investigadores como uma das principais vantagens desta investigação. A quantidade de dados recolhidos “garantiu as melhores respostas às questões relacionadas com a intensidade do exercício necessária para reduzir o risco” das patologias estudadas.

Com este estudo, os investigadores norte-americanos pretendem sensibilizar as pessoas para que evitem a toma “fácil” de medicamentos para melhorar o seu estado de saúde. “Caminhar é muito benéfico. O exercício ajuda as pessoas a sentirem-se melhor, por isso tome menos medicamentos e fique fora do hospital”, recomenda Paul Thompson.
 

Com base nos dados da Associação Americana do Coração, os cientistas recomendam a prática diária moderada de 30 minutos de aeróbica, pelo menos cinco dias por semana.

Uma segunda opção seria a prática diária intensiva de 25 minutos de aeróbica, pelo menos 3 dias por semana. Estes dois planos de treino devem ser acompanhados por atividades de fortalecimento muscular, entre o moderado e o intensivo.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado este mês no jornal norte-americano Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology (em inglês).


Notícia sugerida por Diana Rodrigues

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close