Sociedade

Empresa portuguesa faz casas que fazem bem à saúde

NULL
Versão para impressão
Casas com iluminação deficiente, níveis de ruído elevados e demasiados aparelhos eletrónicos no quarto podem provocar problemas vários, desde alergias, a insónias e até, em casos extremos, doenças crónicas. Mas uma arquiteta portuguesa criou uma empresa que dá mais saúde às casas.  

Juntamente com o marido, o geógrafo Miguel Fernandes, Marcelina Guimarães, arquiteta portuguesa formada na Universidade do Minho, lançou a “Habitat Saudável”, uma empresa de arquitetura única no país que tem a missão de “curar lugares doentes” para garantir a saúde e o bem-estar de quem lá mora.

 

O projeto assenta no conceito de arquitetura integrada, ligando a construção de casas à geobiologia e à biohabitabilidade (criação de bons sítios para se viver e trabalhar), à biogeometria, à sustentabilidade e ao feng shui. 

Image and video hosting by TinyPic

Os espaços podem ser criados de raiz ou visitados para um estudo geobiológico, que inclui a análise da área envolvente ao imóvel e a medição de parâmetros de ordem ambiental, como a radioatividade, os campos eletromagnéticos de alta e baixa frequência, os níveis de monóxido de carbono, a qualidade do ar interior e a deteção de perturbações geobiológicas. 

“A partir dos resultados obtidos, é desenvolvido um relatório com imagens, plantas arquitetónicas, tabelas, cálculos e indicações precisas de como transformar uma casa ‘doente’ num espaço saudável”, afirma Marcelina Guimarães, de 33 anos, num comunicado enviado ao Boas Notícias.

A “Habitat Saudável” surgiu em 2014 com o objetivo de avaliar a “saúde” de habitações, empresas, espaços comerciais, clínicas, hospitais e até jardins.
 

A empresa tem ajudado, por exemplo, muitos pais a melhorarem os níveis de ruídos e outros fatores que provocam insónias ou falta de concentração nos filhos.

"Por vezes, basta alterar a posição da cama, aplicar materiais isolantes para diminuir os ruídos e mitigar ou eliminar as radiações, comprar plantas que contribuam para a regulação da temperatura e da humidade, utilizar materiais naturais na construção da casa ou evitar a presença no quarto de aparelhos que emitam radiações", explica Marcelina, numa nota de imprensa enviada ao Boas Notícias.

As mulheres e as crianças, “mais sensíveis a determinados fatores de risco ambiental”, são os mais afetados pelos sintomas associados a este tipo de situação.

 
Projeto pioneiro a nível nacional
 
A “Habitat Saudável” é a única empresa de arquitetura a oferecer este tipo de consultoria em Portugal. A prática é comum em países como a Espanha, a França, a Alemanha e, ainda, a Suécia, que apoia financeiramente as pessoas “eletrossensíveis” para a adaptação e blindagem das suas habitações.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 30% das habitações têm potencial para causar doenças sendo que percentagem sobe para 60% quando se tratam de construções empresariais.

“São dados preocupantes, sobretudo por ainda haver tanta gente sem noção disso. A boa notícia é que todos os espaços têm geralmente solução”, conclui Miguel Fernandes.

O projeto pode ser visitado no site www.habitatsaudavel.com.

 
 
 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close