Saúde

Doentes podem ser monitorizados à distância

A Escola de Engenharia da Universidade do Minho e o grupo AMI - Assistência Médica Integral desenvolveram um dispositivo pioneiro de monitorização remota, sem fios, da saúde dos pacientes.
Versão para impressão
A Escola de Engenharia da Universidade do Minho e o grupo AMI – Assistência Médica Integral desenvolveram um dispositivo pioneiro de monitorização remota, sem fios, da saúde dos pacientes.

O projeto denominado “Mobile Health Living Lab” beneficia das mais “recentes tecnologias de comunicação e sensorização para aumentar a mobilidade de pacientes internados”, mesmo quando os seus sinais vitais “precisam de estar sob contínua monitorização”, conforme cita a agência Lusa.

Assim sendo, o sistema permite monitorizar indicadores que costumam obrigar o paciente a permanecer na cama hospital, nomeadamente medições de ritmo cardíaco, oximetria, electrocardiogramas,  e temperatura corporal que agora podem ser monitorizados à distância com um “grande alcance de transmissão, que potencia a liberdade do doente”.

Esta tecnologia irá ser também aplicada “para supervisionar pacientes, após alta hospitalar ou com patologias crónicas nas suas próprias habitações.”

[Notícia sugerida pela utilizadora Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close