Ciência

Descobertas as duas supernovas mais brilhantes

Um grupo de cientistas australianos acaba de anunciar a descoberta de duas supernovas super luminosas no Universo distante. Trata-se de corpos celestes resultantes de duas explosões estelares que são 10 a 100 vezes mais brilhantes que o normal.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas australianos acaba de anunciar a descoberta de duas supernovas super luminosas no Universo distante. Trata-se de corpos celestes resultantes de duas explosões estelares que são 10 a 100 vezes mais brilhantes do que todas as outras já observadas até aqui e que vêm estabelecer um novo recorde na investigação astronómica.
 
O achado é da responsabilidade de uma equipa da Swinburne University of Technology, em Melbourne, na Austrália, coordenada pelo astrofísico Jeffrey Cooke, e foi dado a conhecer através de um artigo publicado esta semana na revista científica Nature.
 
As supernovas super luminosas foram descobertas pela primeira vez há poucos anos e são extremamente raras no Universo mais próximo de nós, sendo que as suas origens ainda não são bem conhecidas. 
 
Os cientistas desconfiam, porém, que a sua formação resultará de uma explosão nuclear de estrelas maciças totalmente diferente da que desencadeia o nascimento das supernovas normais.
 
“A luz destas supernovas contém informação detalhada acerca da infância do Universo e de um ponto em que as primeiras estrelas estavam a condensar-se a partir do hidrogénio e do hélio”, os únicos gases existentes depois do Big Bang, explicou Cooke em comunicado.

Explosões estelares permitiram formação do Universo atual
 

“À exceção do hidrogénio e do hélio, elementos como o carbono, o oxigénio, o ferro ou o silício foram criados no núcleo das estrelas durante estas explosões e 'ejetadas' para o espaço para arrefecer e formar novas gerações estelares”, acrescentou o cientista. 
 
Segundo Cooke, a abundância de supernovas ao longo do tempo cósmico enriqueceu o universo com elementos pesados que produziram diferentes conjuntos de galáxias, estrelas e planetas, dando ao Universo as caraterísticas que hoje conhecemos.
 
“Encontrar a primeira geração de estrelas é o atual Santo Graal dos astrónomos e as distâncias das novas supernovas ultrapassam as distâncias a que esperamos encontrar estas estrelas”, apontou o astrofísico.
 
Para descobrir estas supernovas especiais, a equipa socorreu-se do telescópio gigante Keck, instalado no Havai. De acordo com Cooke, a técnica do grupo “fornece os meios necessários para detetar e estudar a morte da primeira geração de estrelas e para compreender o processo de enriquecimento químico do Universo desde o início”.

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close