Ciência

Curiosity desvenda novos vestígios de água em Marte

O robô Curiosity, que continua a sua "expedição" por Marte, iniciada em agosto do ano passado, acaba de desvendar novos indícios da existência de água no planeta vermelho.
Versão para impressão
O robô Curiosity, que continua a sua “expedição” por Marte, iniciada em agosto do ano passado, acaba de desvendar novos indícios da existência de água no planeta vermelho. Recentemente, o equipamento explorou uma área denominada Yellowknife Bay, onde encontrou evidências de que ali terá havido, em tempos, um curso de água abundante.
 
De acordo com a NASA, o robô está agora a preparar-se para escavar uma rocha denominada John Klein, assim batizada em homenagem ao ex-gestor de desenvolvimento do projeto Curiosity com o mesmo nome que morreu em 2011. O processo deverá começar nas próximas duas semanas e o objetivo é investigar a sua composição e procurar material orgânico, sendo que esta será a estreia humana no que toca a escavações noutro planeta.
 
Segundo os cientistas, os “passeios” do Curiosity permitiram já chegar até um local onde terá existido um lençol de água e os seus esforços passam agora por desvendar a complexa história geológica daquela área. “Os especialistas acabaram de entrar uma loja de doces”, brincou o engenheiro Richard Cook, gestor atual do projeto, durante uma videoconferência da NASA que aconteceu esta terça-feira.
 
Nas últimas semanas, o robô tem passado por vários tipos de rocha diferentes, o que indica que diversos processos geológicos já tiveram lugar na superfície marciana. Entre os minerais descobertos estão alguns minerais sedimentares, o que sugere que, no passado, sedimentos terão sido transportados por cursos de água, e há também evidências de que houve passagem de água por entre as rochas após a sua formação.


A área rochosa “John Klein” (na imagem) vai ser o objeto das próximas análises do Curiosity


“Rochas estavam saturadas com água” no passado
 
Os dados divulgados pela agência espacial norte-americana adiantam ainda que há pequenas fissuras em forma de esferas nas rochas, que se terão formado quando a água atravessou os seus poros, arrastando os minerais para o exterior. Além disso, outras amostras de rocha analisadas exibem fraturas preenchidas com sulfato de cálcio em consequência da passagem da água.
 
“Basicamente, estas rochas estavam saturadas com água”, explicou o geólogo John Grotzinger, cientista envolvido na missão Curiosity, em comunicado, acrescentando que estas rochas são o exemplo mais complexo da história da água encontrado em Marte até ao momento. 
 
A agência espacial norte-americana revelou que o próximo passo do Curiosity será escavar orifícios de até cinco centímetros de profundidade nestas rochas para determinar, finalmente, a sua composição. Grotzinger sublinhou que aquilo que a equipa vai procurar são minerais aquosos, rácios de isotopos (variantes de elementos químicos) que possam indicar a composição passada da atmosfera marciana e, possivelmente, matéria orgânica.
 
Cook, gestor do projeto, salientou que estas escavações serão “o procedimento de engenharia mais significativo” já feito desde a chegada do Curiosity a Marte, e vão exigir uma preparação extremamente cuidadosa. 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close